Nivaldo Pereira: dentro dessa grande dor - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião11/09/2020 | 12h53Atualizada em 11/09/2020 | 12h53

 Nivaldo Pereira: dentro dessa grande dor

Tudo nos dói hoje: o corpo, a alma, o mundo, o planeta

 Nivaldo Pereira: dentro dessa grande dor Charles Segat / Divulgação/Divulgação
Foto: Charles Segat / Divulgação / Divulgação
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

Este tão tormentoso 2020 cabe exato no título de um conto do virginiano Caio Fernando Abreu: “Pela passagem de uma grande dor”. Tudo nos dói hoje: o corpo, a alma, o mundo, o planeta. Sob o céu de Virgem, signo associado à saúde, convém seguir refletindo sobre a dor, já que esse tema não sai do noticiário. No óbvio, a dor é um indicativo sensorial de que algo abala nosso padrão de ordem, seja física, mental ou emocional. A dor é uma mensagem, portanto. Mas, por ser naturalmente desagradável, nossa reação imediata é silenciar tal aviso. Achamos que matar o mensageiro resolve o problema sobre o qual ele veio informar. Tudo para não mudar a ordem interna que aparentemente nos sustenta. Até que a vida, sempre superior aos nossos controles e pretensões, nos dá uma rasteira em direção à vulnerabilidade. Aí, no rés do chão do demasiado humano, vamos sofrer em dobro: pela dor em si, enfim assumida a contragosto, e por não conseguirmos dominá-la sozinhos.

Leia mais
Nivaldo Pereira: quem vive sente dor
Nivaldo Pereira: questão de ordem

A negação da dor é uma prática coletiva, quase uma norma social. Ainda que seja real a perversa multiplicação de farmácias pelas ruas, evitamos reconhecer que nosso modelo de vida adoeceu gravemente. Sendo assim, como aceitar a dor no que ela é: uma condição de estarmos vivos? Como, se a mesma sociedade que nega a dor rotula os assumidamente doloridos de fracos? Você aí, como não consegue segurar sua onda? Finja, ora! Cante vitórias, poste sucessos, esteja sempre a sorrir. Não há lugar para cansaços, sem essa de “mimimi”. Enquanto isso, cá dentro, sem disfarces, vamos sofrer ainda mais por não podermos aceitar a própria fragilidade. Tudo dói, mas não pode doer: percebe a insanidade de nosso tempo?

Longe de mim exaltar a dor – logo eu, que não suporto nem um latejar nas têmporas –, mas urge mudar a visão sobre essa estranha mensageira de uma nova ordem. Precisamos achar algum sentido para o próprio desconforto. Na loucura lúcida dos poetas, o virginiano Paulo Leminski escreveu: “um homem com uma dor / é muito mais elegante / caminha assim de lado / como se chegando atrasado / andasse mais adiante”. Perfeito, não? Somente um coxo experimenta o âmago do caminhar. Sem uma ferida, um aleijão qualquer, reais ou metafóricos, nossa consciência não se amplia.

Crescer dói, sabemos. E até gostamos de exaltar a potência criadora que a dor engendra. Ah, as telas de Van Gogh ou de Frida Kahlo! Não seriam o que são sem o sofrimento visceral de seus autores! Quisera criar uma obra com essa força! Mas cadê a coragem de aceitar o tormento que a dor traz? Precisa ser um louco como o Leminski para concluir assim seu poema sobre a dor: “ópios édens analgésicos / não me toquem nessa dor / ela é tudo que me sobra / sofrer vai ser minha última obra”. Já nesse entorpecido mundo de valores materiais, quem sofre é que é posto fora da ordem vigente. Pareça forte, eis a lei.

Precisamos escapar desse simulacro de vida. Há um mundo em colapso. Doente não é quem desaba, quem chora, quem pede ajuda. Doente é quem não sente nada, indiferente aos demais. Se nossa alma não sentir a dor do planeta, não haverá qualquer salvação para ele. O analista junguiano Roberto Gambini afirma: “A alma doída adquire uma força, uma radicalidade surpreendente em sua maneira de se expressar e de entender as coisas”. E essa oportuna força produz coragem e ousadia para agir. Assim, meu povo, que nosso desconforto seja o que nos una na busca de uma ordem mais justa. Hoje, na passagem dessa grande dor, pior mesmo é não sofrer.

Leia também
Violonista radicado em Caxias Lúcio Yanel apresenta live caseira neste domingo, nas redes sociais
Grupo Tholl faz apresentação online em Caxias no domingo
Grupo Ueba recebe convidado especial em novo episódio do canal Sótão da Flor

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros