A arte não para #16: as imersões virtuais da bailarina Roberta Spader  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Cultura23/09/2020 | 17h15Atualizada em 23/09/2020 | 17h52

A arte não para #16: as imersões virtuais da bailarina Roberta Spader 

Dançarina e pesquisadora focada em corpos diversos aproveita a pandemia para ampliar seu público e finalizar livro, à espera de patrocínio

A arte não para #16: as imersões virtuais da bailarina Roberta Spader  Antonio Valiente/Agencia RBS
Em imersões para pessoas com corpos diversos ou profissionais que se dedicam a esse público, Roberta passou a ter ainda mais trabalho na pandemia Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Bailarina, professora e pesquisadora, a caxiense Roberta Spader agora é detentora da marca Corpos Diversos, nome que deu ao perfil no Instagram e ao canal no YouTube onde reúne parte da sua produção artística e acadêmica voltada para pessoas com deficiência, ou cujo corpo é fora dos padrões da sociedade. Na pandemia, a migração para o ambiente digital das atividades do Espaço Ser, escola e centro cultura que mantém no bairro Petrópolis, foi mais do que uma saída para driblar a falta do contato presencial, mas um reencontro com o propósito de vida: mostrar que a arte e o esporte são caminhos para todos encontrarem autonomia e independência. 

Leia também
A arte não para #7: Tonico de Ogum
A arte não para #8: Gio e Doug
A arte não para #9: Jessica Melinda
A arte não para #10: Tatiéli Bueno
A arte não para #11: Paralela  
A arte não para #12: Cristian Rigon
A arte não para #13: Quiquiprocó
A arte não para #14: Márcie Vieira
A arte não para #15: Médicos do sorriso

Conhecida pela atuação consistente não apenas no palco, mas também em escolas, universidades e demais espaços onde fala e demonstra as possibilidades de prática e ensino de esporte e dança para “corpos diversos”, a caxiense passou a realizar as chamadas imersões, reuniões virtuais com interessados que se inscrevem previamente. Nos encontros, semanais e com duas horas de duração, mistura teoria e prática de dança, que resultam em vídeos com as performances dos participantes. A cada edição, a adesão aumenta.

– Nada vai substituir o presencial, mas o digital pode tornar nosso trabalho mais conhecido e já está dando frutos, muito graças a uma consultoria digital que contratei e me ajudou a perder o medo da tecnologia e botar a cara na internet de vez, trabalhando melhor os meus conteúdos para alcançar maior visibilidade – comenta Roberta.

Falando em teoria, Roberta também aproveitou o período de isolamento social para finalizar e revisar um livro, cujo título provisório é A Vida é uma Dança. Na obra, que entra em fase de busca por patrocínio, a bailarina vai além do relato biográfico e trata de conceitos como o danceability, método de dança inclusivo.

– A ideia original era escrever apenas a minha história, mas, conversando com outras pessoas, fui convencida a abordar um lado mais teórico, falando sobre as pesquisas corporais que venho fazendo, os estilos de dança que eu já passei e conteúdos que aprendi em especializações feitas em Montevidéu e Nova York. Outro objetivo do livro é mostrar como a gente pode tirar algo positivo de momentos de crise, como é a pandemia. No início deste período eu estava à procura de oportunidades e agora elas chegaram até mim, pela maneira como me dispus a “vender” melhor meu trabalho – conta a caxiense.

Enquanto o Espaço Ser não volta à normalidade dos encontros, cursos e até as festas presenciais, onde a proposta é fazer toda e qualquer pessoa se sentir acolhida e integrada, Roberta Spader seguirá abraçando as possibilidades oferecidas pela internet. Além das imersões, a bailarina também já realizou e seguirá propondo algumas lives, em que entrevista pessoas de diversos segmentos, voltados para a inclusão:

– Estou trabalhando muito mais do que antes, mas hoje tenho cada vez mais claro qual é o meu propósito de vida. A arte nunca vai sair de mim e nem eu dela. Quero que cada vez mais pessoas possam ver que a arte não só melhora vidas, como também pode ser uma profissão, inclusive para as pessoas com deficiência. 

Quem quiser acompanhar o trabalho da Roberta e saber quais serão as próximas datas de imersões, entre outras atividades, pode segui-la no Instagram (@corposdiversos), no YouTube (canal Corpos Diversos - Roberta Spader) ou no Facebook, pelo perfil pessoal.

Leia também
Conheça os contemplados no edital Uno-me
Caxias do Sul está entre as três cidades com maior participação no Festival Encantar
Escritora Marina Colasanti participa de live aberta ao público nesta quinta
Banda Não Alimente os Animais lança single nesta quarta
Na Cozinha: aprenda a fazer bolo de maçã com canela  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros