Adriana Antunes: banana-verde gratinada - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião25/08/2020 | 07h00Atualizada em 25/08/2020 | 07h00

Adriana Antunes: banana-verde gratinada

Nasci com a boca aberta e me alimento ao alimentar os que amo com desejos de doces, memórias, alho, poesia, sonhos e vida, tudo gratinado no divã

Quem me conhece sabe que sou apaixonada pela cozinha e todo o seu entorno. Adoro os aromas de temperos sendo misturados, o casamento perfeito entre a beterraba e a laranja, a textura do cogumelo salteado, o molho de amendoim envolvendo a massa, a farinha de grão-de-bico nas empanadas de atum, o trigo saraceno na elegante galette, a passata de tomate com manjericão, o coentro, a páprica defumada, a batata ao murro com alecrim, o confit de tomate na torrada de pão de azeite, os vegetais cortados com a obsessividade brunnoise e todo tipo de panaché, mesmo no inverno. Os verbos gastronômicos também estão entre os meus preferidos: clarificar, selar, saltear, refogar, marinar, flambar, emulsionar. Há uma poesia que perpassa a linguística e a técnica e atinge as profundezas de nosso estômago e psiquismo. Dias atrás estava lendo um livro delicioso chamado O banquete de Psiquê e lá o autor, que é também psicanalista e apreciador da boa mesa e bom vinho, dizia que antes do sexo vem a boca, por isso, antes da cama, a mesa. Ele faz uma brincadeira deliciosa ao dizer que nossas neuroses nunca vêm sozinhas, geralmente vêm acompanhadas de achocolatados de baixa qualidade, farinhas em excesso, refrigerantes e fast food, ou seja, padecemos de má nutrição. Quando nos alimentamos estamos realizando no mínimo duas ações nutritivas: uma diz respeito ao corpo e a outra, o nosso psíquico. Por isso, as comidas de infância nos são tão caras e importantes.

Leia mais
Adriana Antunes: generosidade
Adriana Antunes: sobre pais e filhos

Jamais esqueci aquela sopa de massa com feijão que minha nona fazia, a panela fervia sobre um fogão à lenha por horas enquanto o aroma ia tomando conta da cozinha, da sala, dos quartos até chegar à alma. Assim como nunca mais comi aquela figada feita pela mãe com os figos que cresciam atrás de nossa casa e eram disputados com os passarinhos que enchiam suas barriguinhas durante as tardes calmas do interior. Também nunca esqueci da gemada feita pelo pai, e que já falei por aqui, feita momentos antes de assistirmos algum filme da sessão da tarde ou aquele pão com açúcar que somente a tia Justina sabia fazer e matava minha fome, muito mais de gulosa. Comer é uma alegria instintiva e sim, guarda patologias, principalmente quando nossa alma é mal nutrida.

Dias atrás comi banana-verde gratinada. Nunca imaginei que a banana se prestaria a tal iguaria. Sei que os nutricionistas e os adeptos de dietas específicas são apaixonados pela banana-verde, mas daí ela combinar com queijo azul é quase surreal. Por sorte, sou casada com uma pessoa que ama tanto quanto eu o universo gastronômico e suas inúmeras possibilidades. A cozinha é um espaço de encontro, de descobertas, de poesia. Eu, assim como Isabel Allende diz num poema famoso, nasci com a boca aberta e me alimento ao alimentar os que amo com desejos de doces, memórias, alho, poesia, sonhos e vida, tudo gratinado no divã.

Leia também
Festival de Cinema de Gramado anuncia longas gaúchos concorrentes em sua 48ª edição
Festival Internacional de Folclore de Nova Petrópolis está com inscrições abertas para 2021
Caxienses da banda AHPE preparam lançamento de single

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros