Tríssia Ordovás Sartori: Qual será nosso espírito do tempo? - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião10/07/2020 | 17h55Atualizada em 10/07/2020 | 17h55

Tríssia Ordovás Sartori: Qual será nosso espírito do tempo?

Numa espécie de licença poética, se formos parar para pensar nos últimos meses, nosso espaço privado ganhou uma dimensão pública

Tríssia Ordovás Sartori: Qual será nosso espírito do tempo? Fábio Lopes Panone / Divulgação/Divulgação
Foto: Fábio Lopes Panone / Divulgação / Divulgação
Tríssia Ordovás Sartori
Tríssia Ordovás Sartori

trissia.ordovas@pioneiro.com

Eu adoro as palavras que servem para condensar um significado ou uma ideia. Como ubuntu, de origem zulu que expressa generosidade: “sou o que sou pelo que nós somos”. Ou como o filipino gigil, bem menos solene do que o vocábulo africano, que se refere à vontade de apertar ou beliscar as bochechas de alguém. Ou os menos disseminados eiviitsi, estoniano que designa uma preguicinha moderada. Ou o divertido indonésio begadang, que é ficar a noite toda acordada conversando – pouco bom?

Há, também, as mais difundidas e filosóficas, como o zeitgeist. O termo alemão que significa “espírito da época /espírito do tempo”. Faz referência ao universo da cultura e da intelligentsia de um determinado período, capaz de produzir um certo tipo de pensamento ou obra comum. Como se a inteligência fosse um fenômeno coletivo, nacional e intermitente, como sugere um diálogo do filme Invasões Bárbaras, de Denys Arcand. Entre os exemplos, aparece a Grécia antiga, por volta dos anos 400 a.C., com produções de Eurípedes, Sófocles e Aristófanes, Sócrates e Platão. Ou na Florença do início do século 16, com Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael e Nicolau Maquiavel. Ou na Filadélfia, entre 1776-1787, época da declaração de independência dos Estados Unidos, com a reunião de John Adams, Benjamin Franklin, Thomas Jefferson, George Washington, Alexander Hamilton e James Madison. 

Leia mais
Tríssia Ordovás Sartori: Você é formiga ou aranha?
Tríssia Ordovás Sartori: Quase pode ser tudo ou nada
Tríssia Ordovás Sartori: Saudade dos abraços

E a nós, o que nos resta?

Numa espécie de licença poética, se formos parar para pensar o que temos feito nos últimos meses, desde o outono, veremos que nosso espaço privado (nossa casa) ganhou uma dimensão pública. Passamos a interagir por telas, e nossas salas e bibliotecas tornaram-se um cenário compartilhado mesmo com quem não temos intimidade. Dá até para sugerir, em maior ou menor grau, que nossa casa virou o centro do mundo. 

Passamos a ser meros observadores da ruas de Madri vazias ou do retorno dos movimentos nos pubs londrinos, mas sequer podemos frequentar um parque a quadras de distância. E, passados meses de incertezas, negação ou hipocrisia em relação ao “novo normal” (perdoem-me o clichê horroroso), paralelamente vejo crescer uma corrente voyeurista, já que a vida tende a se arrastar menos pelas redes sociais. 

E aí entra um lugar (ou não-lugar?) gigantesco para a disseminação do ódio e das frustrações. Porque, além de tentar manter as aparências, muitas pessoas fazem questão de manter viva a síndrome do caranguejo, aquela de que quem está subindo é sempre puxado para baixo, para que todos fiquem no nível do chão. 

No final das contas, no entanto, vai ser triste ser lembrado pelo que a pessoa detesta, implica, critica. É muito mais digno ser referenciado por aquilo que ajudamos a construir, pelo que apreciamos. Que sejamos definidos pelo que gostamos, não pelo que rechaçamos. Por termos uma vida e vivê-la de verdade, sem precisar exibir perfeição ou diminuir os outros para dar conta da nossa pequenez, ou, mesmo com sorte, que sequer precisemos esfregar nossa imensidão na cara de ninguém. 

Leia também
Festival de Cinema de Gramado prorroga inscrições para a Mostra Gaúcha de Curtas
Frei Jaime: ainda bem que é possível revestir-se de esperança e seguir em frente
Na Cozinha: confira uma receita simples de pretzel

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros