Sociedade por João Pulita - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

SOCIAL13/07/2020 | 06h10Atualizada em 14/07/2020 | 10h00

Sociedade por João Pulita

Veja a coluna social desta segunda-feira!

Sociedade por João Pulita Juliano Vicenzi / Divulgação/Divulgação
Tomás Ferraro De Bastiani com sua mãe, a psicóloga e confeiteira Karla Ortiz Ferraro, que espera a chegada do mano dele, Benício Ferraro De Bastiani Foto: Juliano Vicenzi / Divulgação / Divulgação

Lentes

O festejado fotógrafo Fernando Dai Prá acaba de selar uma parceria de efeito com o make-up artist Luís Henrique Foscarini e o hairstylist Jefferson Hoffmann. Juntos apresentarão um projeto de retratos profissionais. A ação consiste em colaborar  e compor imagens de pessoas que necessitam de visibilidade. A produção será executada entre os dias 18 e 25, com agenda lotada. Em breve, o talentoso trio irá lançar novas datas, tamanho o sucesso empreendido.

Clique e confira outras edições da coluna social de João Pulita

A designer Verônica Marchet está em casa desenvolvendo acessórios que irão enfeitar os look das candidatas ao título de Rainha e Princesas da Festa Nacional da Uva 2022 Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação
Bom de fôlego, Tiago Cornelli redobra o pique com atividade física e alimentação natural em tempo integral Foto: João Pulita / Divulgação

Ano Inteiro

Com a temática “15 Anos”, a Apae de Caxias do Sul realizará  a 15ª edição do tradicional projeto calendário da entidade, que veiculará em 2021. Na segunda quinzena de julho, a equipe composta pelo fotógrafo Andrei Cardoso, o designer gráfico Estevam Concatto e a psicóloga Simone De Antoni Perini estarão envolvidos com a produção. O espaço Don Claudino servirá de locação para as fotos que ilustrarão a edição, juntamente com alunos da instituição e alguns convidados da comunidade.

Gabriela Toss faz aquecimento para a largada da 1ª edição da Run – Corrida Virtual Foto: Miguel dos Reis / Divulgação

Ciranda

A 1ª Run - Corrida Virtual, que surgiu em meio a pandemia da Covid-19, é liderada pela personal trainer Madalena Becker e sua aluna Gabriela Toss, que a partir da necessidade de correrem juntas, realizam uma atividade em que cada integrante possa participar em casa. Tudo isso alinhado a uma causa nobre, ajudar a Associação Criança Feliz. A proposta ganhou fôlego com o apoio da Brisa Esportes, do empresário Gilmar Dal Pizzol. O projeto ocorre dia 2 de agosto, mas as inscrições se encerram dia 15.

.

A criança é o presente da alma de Liège!

Liège Walderez Francisco Foto: Fernando Dai Prá / Divulgação

Liège Francisco, a primeira dos cinco filhos de Alvise Francisco e Valda Venzon Francisco, a quem se refere como trabalhadores e amorosos. Casada com João Luiz Roth, é mãe de João Pedro Roth, 28 anos. Dona de um currículo profissional extenso, nossa personagem do dia é formada em tradução e interpretação pela UCS e, após mais de 30 anos de secretariado executivo e exportação nas Empresas Randon, é graduanda em Psicologia e tem como sua grande felicidade ser voluntária e presidente da Associação Criança Feliz, uma entidade que atende diariamente 230 jovens. Entenda o que move o espírito solidário desta escorpiana do dia 27 de outubro!

Que conexão faz com sua infância e a das crianças que a Associação acolhe? Tive uma infância muito simples, ia a pé para a escola (Emílio Meyer), com minhas irmãs e vizinhos. Hoje, boa parte das crianças e adolescentes que frequentam a Associação Criança Feliz também vão caminhando, alguns por longos percursos, junto de seus irmãos e vizinhos. Esta fase – apesar das dificuldades - será sempre lembrada pelo companheirismo que se instala ali.

Que importantes projetos sociais lidera? Sou voluntária na Associação Criança Feliz há 22 anos e estou na segunda gestão como presidente.  A entidade completou 25 anos em junho e recebe diariamente 230 crianças e adolescentes no turno inverso da escola, além de atender a 170 famílias dos 12 bairros na zona Norte de Caxias do Sul. Neste espaço, realizamos diversas atividades que fomentam a formação cidadã e a criatividade das crianças, como arte-educação (mini-orquestra, circo, teatro), esportes (jiu-jitsu), literatura (anualmente participamos da Mostra Literária com a publicação de um livro), culinária, inclusão digital e escola de férias, entre outras oficinas.

Qual a importância de sua formação na liderança de uma entidade assistencial? Vejo três pilares aqui: a experiência secretarial assessorando diretorias em ambientes de alta governança corporativa, o apoio constante de colegas incríveis em todas as fases da minha carreira, e a gestão colegiada da própria Associação Criança Feliz, que há mais de dez anos trabalha com planejamentos estratégico e pedagógico.

Qual a motivação da sua dedicação ao trabalho voluntário, voltado para os mais vulneráveis? Minha mãe, Valda, sempre participou ativamente de projetos solidários e continua a fazê-los do alto dos seus 84 anos, então desde cedo participei e ajudei a fundar entidades como a Associação caxiense e o Sindicato de Secretárias e Secretários do RS. Porém, a principal motivação vem de histórias como a de uma das primeiras meninas atendidas pela Associação Criança Feliz que, já como egressa do projeto, nos visitou e doou o seu primeiro salário à entidade, como retribuição pela ajuda que recebeu. Acredito que não estamos neste mundo apenas para a nossa existência pessoal, mas para fazer a diferença na vida dos que, pelas mais diversas razões, tiveram, têm e terão menos oportunidades. 

Quais foram as maiores conquistas desse trabalho de tantos anos com a comunidade? O auxílio à redução da criminalidade nos bairros atendidos, o maior índice de permanência no sistema educacional e os casos de sucesso como mencionei na pergunta anterior, de jovens que hoje têm uma vida melhor graças à interação com a entidade. O impacto desse trabalho também é evidenciado por reconhecimentos que a Associação Criança Feliz recebeu, como o Prêmio Bronze do Programa Gaúcho para a Qualidade e Produtividade, o Troféu Ítalo Bersani da CIC e as duas participações no projeto Criança Esperança. 

Por que é importante o envolvimento de empresários e membros da sociedade civil em projetos sociais? Ao longo da minha carreira, aprendi que é função social de toda e qualquer empresa interagir com a sua comunidade para apoiar, da maneira que for, as pessoas e organizações que oferecem à população em vulnerabilidade um espaço de acolhimento, orientação e motivação. Muito do que conquistamos na Associação Criança Feliz se dá graças ao voluntariado responsável de empresários e empreendedores comprometidos.

Qual a importância do trabalho em sua vida? Minha trajetória por várias vezes fez com que saísse da zona de conforto e arriscar. Desde o estágio de tradutora nos anos 1970, a passagem pelo serviço público e o ingresso no mundo corporativo internacional, cada momento foi um novo desafio que me proporcionou experiências incríveis.

Ao lado de quem gostaria de ter sentado na época da escola? Ao lado dos colegas que ali estavam, pois aprendemos e nos desenvolvemos juntos. Penso que estamos onde e com quem devemos estar.

Um projeto para o futuro? Formar-me em Psicologia e ampliar o impacto de organizações como a Associação Criança Feliz, para que mais crianças tenham acesso a uma vida digna.

Se tivesse vindo ao mundo com uma legenda ou bula, o que conteria nela? Usar em doses homeopáticas para aconselhamento. Estamos para o que der e vier. 

Traço marcante da sua personalidade? Ser reservada.

Frase máxima? “Quanto mais amor temos, tanto mais fácil fazemos a nossa passagem pelo mundo.” (Immanuel Kant)

A melhor invenção do homem? O fogo: ilumina, aquece, orienta, transforma, cozinha o alimento.

Com que mensagem encara o mundo? O ser humano é bom!

De que uma criança precisa para ser feliz? Afeto, porque cuidar também é mostrar o melhor caminho.

Gostaria de ter sabido antes... da minha veia para a psicologia.

Lema de vida? Tudo passa! do Chico Xavier.

O que considera essencial para sobreviver? Sabedoria.

O que mais respeita no ser humano? Humildade. 

Qual a palavra mais bonita da língua portuguesa? Alma.

Qual a passagem mais importante da tua biografia? O nascimento do meu filho João Pedro.

Qual é a grande obra da humanidade? O estudo científico da mente.

Qual talento mais gosta de ter? Aconselhadora.

Reflexão de cabeceira? Com o preceito budista de que estamos nesta existência em benefício de todos os seres.

Seu principal defeito e sua principal virtude? Impetuosidade e persistência.

Um ditado popular? Uma andorinha sozinha não faz verão.

Um fenômeno no mundo? Nascimento de um ser humano, o parto.

Um hábito que não abre mão? Orar, agradecendo pelo dia que amanhece e se encerra.




 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros