"Estado de coma indefinido em que a orquestra foi colocada nos causa um sofrimento muito grande", diz maestro Manfredo Schmiedt - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

UCS Orquestra03/07/2020 | 12h15Atualizada em 03/07/2020 | 14h14

"Estado de coma indefinido em que a orquestra foi colocada nos causa um sofrimento muito grande", diz maestro Manfredo Schmiedt

Regente esteve à frente da formação por quase 20 anos

"Estado de coma indefinido em que a orquestra foi colocada nos causa um sofrimento muito grande", diz maestro Manfredo Schmiedt Felipe Ntland/Agencia RBS
Schmiedt foi demitido do cargo na UCS Orquestra na quinta Foto: Felipe Ntland / Agencia RBS

O maestro Manfredo Schmiedt, que esteve à frente da UCS Orquestra desde sua fundação, em 2001, anunciou nesta sexta (3) seu afastamento da formação como regente e diretor artístico. A notícia de que a orquestra estaria encerrando suas atividades foi lamentada por ele também em entrevista ao Pioneiro. Schmiedt contou que ele e oito músicos da formação tiveram seus contratos encerrados na quinta (2). Outros quatro músicos que integravam o grupo permanecerão contratados para seguir com o projeto Música do Coração, que realiza apresentações no Hospital Geral.

Leia mais
UCS Orquestra encerra atividades em 2020
Primeiro CD da Orquestra Sinfônica da UCS está no Spotify
VÍDEO: UCS Orquestra grava com o Elvis Cover de Farroupilha, Fabiano Feltrin
Orquestra da UCS perde metade de seus músicos
Orquestra da UCS perde um terço de seus músicos 

— O sentimento é de uma grande tristeza porque o trabalho com a orquestra da UCS, para mim, não era simplesmente um ganha-pão, era muito mais do que isso, era a ideia de ajudar nosso povo a se desenvolver culturalmente. A tristeza é de não conseguir continuar, neste momento, a cumprir essa missão — disse Schmiedt.

O maestro contou que o reitor da universidade, Evaldo Kuiava, e o chefe de gabinete da instituição, Gelson Leonardo Rech, comunicaram a decisão a ele por meio de vídeo-chamada, na última quarta (1). 

— Eles alegaram que chegou num ponto financeiramente inviável, neste momento. Gostam muito da orquestra, e gostariam muito de retomar este projeto no futuro, quando as coisas se acalmarem, mas que não tinham condições neste momento de manter a orquestra. O reitor falou que espera retomar as atividades em breve e que eu possa voltar à frente do grupo, que eu seria a primeira pessoa a ser contatada por eles numa retomada, mas todos nós sabemos que o futuro é bem incerto. Eu agradeço essa atenção que eles me deram, mas, neste momento, não temos essa expectativa do que vai acontecer — ponderou o maestro.

Schmiedt classificou o momento atual da orquestra de forma contundente:

— Este estado de coma indefinido em que a orquestra foi colocada nos causa um sofrimento muito grande.

O maestro logo se anima ao falar dos inúmeros momentos de casa cheia nas apresentações da orquestra — fossem nos tradicionais concertos realizados no UCS Teatro ou em espaços públicos — e reforça que seu legado à frente da formação foi o de contribuir com o desenvolvimento do público. 

— Tem tanta coisa legal que a gente fez durante esses quase 20 anos que o público já estava habituado a ter esta oferta de cultura. Isso vai fazer falta, Caxias perde bastante com isso, mas nós também, porque a gente é viciado nisso, nessa produção cultural. Sempre coloquei a alma em todos os trabalhos para que as pessoas pudessem sair de um concerto diferente do que entraram — afirma.

Reitor diz que UCS Orquestra retorna em 2021

Fundada em 2001, como Orquestra Sinfônica da UCS, o grupo passou por reformulações nos últimos tempos. Em março de 2019, por conta de reajustes econômicos, perdeu um terço de seus músicos (passando de 39 para 25 integrantes). Já em fevereiro deste ano, a formação foi novamente enxugada, ficando com apenas 12 músicos. Essa mudança repercutiu até mesmo no nome da orquestra, impedida de ser chamada de sinfônica por não possuir mais o tamanho suficiente para tal.

Em entrevista à Gaúcha Serra na manhã desta sexta, o reitor da universidade, Evaldo Kuiava, disse que a UCS Orquestra ficará parada pelo menos até o fim do ano. Porém, que a decisão não é definitiva. 

 — A orquestra vai continuar, não temos como manter os músicos vinculados num semestre que ela vai ficar parada, não temos como fazer apresentações. Então, estamos encerrando a modalidade de contratação de nosso músicos e já pensando na programação do ano que vem. A orquestra não acaba, mas não temos como manter os músicos, evidentemente dentro de um contexto em que está todo mundo parado — disse Kuiava, classificando a decisão como "bom senso" da gestão, já que a manutenção da orquestra custa R$ 2 milhões por ano à universidade.

O reitor anunciou, inclusive, que a UCS Orquestra deve passar por algumas mudanças de perfil em seu retorno. A ideia seria a inclusão de instrumentos elétricos e eletrônicos.

Leia também
A arte não para #4: longe do set, cineasta caxiense Le Daros não para de criar e dirigir
Farroupilha terá sessão de cinema drive-in no dia 10 de julho
Bento pode ter segundo edital de cultura em 2020
Edital do Banrisul que selecionaria propostas musicais online está suspenso
Prepare um café cremoso e quentinho em três passos
Véra Stedile Zattera mostra novo livro, "Vestindo Moda"  

ong>Véra Stedile Zattera mostra novo livro, "Vestindo Moda"  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros