A arte não para #5: Odelta Simonetti prepara novas aventuras para Rarley Davidson, a palhaça rock 'n' roll - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Cultura09/07/2020 | 08h00Atualizada em 09/07/2020 | 09h37

A arte não para #5: Odelta Simonetti prepara novas aventuras para Rarley Davidson, a palhaça rock 'n' roll

No confinamento, a atriz caxiense experimenta pela primeira vez performar sua principal personagem longe do público

A arte não para #5: Odelta Simonetti prepara novas aventuras para Rarley Davidson, a palhaça rock 'n' roll Arquivo pessoal/Divulgação
Em quarentena, Odelta Simonetti volta a interpretar, desta vez em vídeo, palhaça que curte, rock 'n' roll e é muito corajosa, mas só por fora Foto: Arquivo pessoal / Divulgação

Atores e atrizes do palco e das ruas são artistas que se reconhecem nas reações imediatas do público: a gargalhada, o aplauso ou a vaia não são apenas a validação do trabalho, mas também um elemento da própria construção do espetáculo. E é sem essa interação que a atriz caxiense Odelta Simonetti está aprendendo a dar vida à palhaça rock 'n' roll Rarley Davidson, tendo diante de si apenas a câmera do celular e o olhar da filha Olívia, de três anos. 

 Leia mais:
A arte não para #1: Daniela Antunes
A arte não para #2: Marco Menezes
A arte não para #3: Cardo Peixoto
A arte não para #4: Le Daros

Reinventar sua forma de fazer arte foi uma imposição da pandemia de Covid-19. Ao perceber que as apresentações e projetos para o ano estavam todos cancelados - a começar por um espetáculo solo que iria estrear no Festival Téti, em abril - Odelta sabia que não iria conseguir dedicar o período de quarentena apenas à maternidade ou ao aperfeiçoamento profissional, embora sejam atividades que ocupem boa parte do tempo (ela cursa o quarto semestre de Pedagogia).

- A gente foi "de 100 a zero" em três segundos, como uma Ferrari ao contrário. Foi um choque. Mas tenho o privilégio de ter descoberto muito cedo na vida o que eu queria fazer, e de ter o teatro como algo que vive dentro de mim e que não consigo calar. Mesmo em casa, eu me sentia em erupção e sabia que iria precisar transbordar de alguma forma. Mas sabia que seria necessário me reinventar. A pandemia, para mim, tem sido um momento de muitas descobertas, inclusive de dar um pouco mais de atenção para as redes sociais e a internet como ferramenta de divulgação. Sempre fui uma pessoa totalmente analógica - comenta a atriz, de 40 anos.

Embora a experiência na dramaturgia vá além, com participações em cinema e no teatro de máscaras, é a palhaçaria que faz Odelta mergulhar mais fundo. Não apenas na criação de espetáculos, mas nas pesquisas a respeito da construção de palhaças mulheres, que reflete na construção de suas personagens. É onde a caxiense consegue explorar melhor suas habilidades e repertório, e por isso a quarentena fez ressurgir Rarley Davidson ainda mais corajosa ("mas só por fora, porque por dentro é uma medrosa", revela a criadora):

- A primeira coisa que fiz foi escrever e gravar foi uma poesia para a Rarley. Depois peguei meu acordeon e fiz uma música, dizendo para as pessoas ficarem em casa. Quando vi que não ficou tão ruim e que a receptividade foi bacana, me desafiei a fazer mais vídeos. Improvisei um tripé pro celular, fui tateando para ver como funcionava: às vezes acertava o vídeo e errava o truque, às vezes acertava o truque, mas saía do enquadramento. Gravação é algo cansativo, seja num set de cinema ou sendo a equipe de uma mulher só, como agora é meu caso. Te faz explorar de outra forma o fazer artístico, o que tem muito a ver com a técnica. Se a conexão com o público precisa existir mesmo quando tu não está nos melhores dias, também é preciso exercitar a técnica quando não há público, apenas uma câmera. 

Sem contratos desde março, Odelta conta com o apoio da família e do marido para amenizar a perda de renda. Com o projeto "Rarley Power" recentemente aprovado no edital FAC digital, da Secretaria Estadual de Cultura, vai poder dar à palhaça underground a primeira experiência mais formal em vídeo, levando ao público três performances inéditas.  Um impulso a seguir criando, pesquisando e explorando a persona artística, mesmo longe das pessoas. Um processo de resiliência, segundo define:

-  O momento é muito ímpar, mas muito rico do ponto de vista da criação. Como artista, penso que, se pudermos ter a condição de focar nossas energias em nossa arte, vamos poder sair dessa tragédia com muita matéria-prima para criar. Ao mesmo tempo, como cidadã, espero que a humanidade possa refletir sobre como lida com o consumo, com a natureza, com o próximo. Se repensarmos nossa existência num sentido mais humanista, essa provação vai ter valido a pena. 

Leia também
Mostra Tem Gente Teatrando terá primeira edição virtual
Instituto Cultura Latina promove bate-papo online sobre a Argentina
Projeto de lei prevê que Secretaria da Cultura receba recursos de empresas  
Vereadores aprovam prorrogação no prazo para lançamento do edital do Financiarte, em Caxias
UCS cria Escola de Música 
VÍDEO: Conheça o projeto Amizade, que reuniu 104 vozes de forma online

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros