Pedro Guerra: me respeita - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião05/06/2020 | 22h22Atualizada em 05/06/2020 | 22h22

Pedro Guerra: me respeita

Aqui vai uma daquelas obviedades que a gente só descobre com o passar dos causos: nós não precisamos ser sempre produtivos

Pedro Guerra: me respeita Antonio Giacomin/Divulgação
Foto: Antonio Giacomin / Divulgação

Tem dias que eu não sirvo para nada. Eu posso ter o maior dos compromissos, o prazo para entregar algum trabalho pode estar chegando ao fim, ou quem sabe eu tenha todo o tempo livre que sempre quis, mas mesmo assim parece que nada desenrola. E eu nem falo exclusivamente de bloqueio criativo, mas sim daquela sensação de que não estamos produzindo tudo aquilo que sabemos que podemos. O que fica, então, é o sentimento de incapacidade. Mas aqui vai uma daquelas obviedades que a gente só descobre com o passar dos causos: nós não precisamos ser sempre produtivos.

Leia mais
Pedro Guerra: felicidade e autopermissão
Pedro Guerra: este texto é de grátis

Os dias de pandemia contribuem para esse pensamento. É difícil acreditar que enfim temos todo o tempo que nunca tivemos e ao mesmo tempo temos dificuldade em tirar do papel alguns planos que sempre traçamos e nunca foram executados por falta de... tempo! Será?

Dias atrás eu planejei um final de semana de trabalho inteirinho. Depois de me alimentar e preparar um café para aguentar a jornada, o meu canto mais confortável me esperava para eu finalmente fazer acontecer. Eis que as horas foram passando e a cada minuto eu encontrava uma distração nova, sem contar as checagens nas redes sociais que, ao mesmo tempo em que entretinham, me traziam a lembrança de que eu precisava continuar sendo útil.

Depois de muito tentar e não obter sucesso, desisti. E aí está mais uma verdade que a gente se dá conta com muito esforço: está tudo bem em jogar a toalha de vez em quando. Nós nem sempre vamos estar produtivos, alguns dias vão ser mais nublados que os outros, e nada que a gente faça vai ser o suficiente para que consigamos mudar esse cenário. Falo isso porque precisamos de uma pausa para tudo. Nesses dias, então, é como se o nosso próprio corpo sussurrasse: “me respeita”.

E cabe a nós respeitar, sabe? Talvez um dos tantos olhares positivos que tenhamos que ter neste momento seja o de reparar que o mundo não precisa girar sempre tão depressa, que algumas coisas demandam tempo, e principalmente espaço.

Resolvi me afastar de tudo aquilo que eu mesmo havia me proposto e fui passar o tempo sem comprometimento algum. Assisti mais de um filme, conversei com algumas pessoas que devia atenção há tempos, descobri músicas novas e até reparei que todos os dias existe um pôr do sol lindo e que nos espera para ser assistido. No dia seguinte, mesmo sem planejar, a mágica aconteceu. E então eu escutei uma voz um pouco mais alta que surgia mais uma vez de dentro de mim – só que agora ela dizia: “obrigado”.

Leia também
54º Concurso Anual Literário de Caxias do Sul consagra "Controle", de Natalia Borges Polesso, como Melhor Obra Literária
Ioga têm sido alternativa a quem procura autoconhecimento em tempos de distanciamento social
Teste alguns movimentos mais tradicionais do ioga
"Se você pudesse escolher, seria negro?", provoca a produtora cultural

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros