Tríssia Ordovás Sartori: Saudade dos abraços - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião29/05/2020 | 14h27Atualizada em 29/05/2020 | 14h27

Tríssia Ordovás Sartori: Saudade dos abraços

Está para nascer um gesto mais completo para expressar a felicidade e a gratidão de ter alguém querido por perto

Tríssia Ordovás Sartori: Saudade dos abraços Fabio Panone / especial/especial
Está para nascer um gesto mais completo para expressar a felicidade e a gratidão de ter alguém querido por perto Foto: Fabio Panone / especial / especial
Tríssia Ordovás Sartori
Tríssia Ordovás Sartori

trissia.ordovas@pioneiro.com

Entre todas as coisas das quais mais sinto falta nesse momento de pandemia, os abraços estão em primeiro lugar. São eles que provocam reações neuronais de bem-estar, tranquilidade e equilíbrio, inclusive cardiovascular. Eles auxiliam e amplificam a sensação de prazer, e bastou que fôssemos privados deles para entender o quanto precisamos de toques consentidos em nossas vidas. Tenho saudades até de apertos de mãos, gesto que sempre tentei evitar por achar extremamente formal e impessoal. 

Talvez por isso, uma das imagens que mais tenha me sensibilizado nesse período seja a da norte-americana Olivia Grant abraçando a avó, Mary Grace Sileo, depois de três meses de afastamento entre elas. O encontro em questão tem sido chamado de “abraço de plástico”, porque um material transparente enorme foi estendido num varal para que elas pudessem entrelaçar os braços, tocar o corpo uma da outra e ainda assim ter uma barreira quase invisível para evitar qualquer risco de contágio pela covid. A expressão de ambas, a busca pelo encaixe e a forma como as mãos envolvem os corpos são bem emocionantes.

Leia também
Tríssia Ordovás Sartori: O que importa de verdade
Tríssia Ordovás Sartori: Quero me reconhecer nas fotos
Tríssia Ordovás Sartori: não quero voltar à normalidade

Lembro com carinho do movimento free hug, do qual participei em algum momento, que prometia abraços grátis pelas ruas, para qualquer pessoa que se dispusesse a dizer sim. Sempre achei curioso por que as pessoas abraçariam estranhos — e a interação era sempre linda e especial —, mas agora tudo parece fazer sentido. O abraço meio que nos constitui como sujeitos e costuma carregar uma carga de amor e afeto. E, possivelmente, alguns podem não ter essa sorte por perto. 

Na etimologia, que é o estudo da origem das palavras, há a correlação entre abraço e amplexo, que podem ser tomados como sinônimos. Braço vem do latim brachium e é usado na anatomia básica; amplexo vem do latim amplexus, que se forma pelo sufixo ambi (ao redor), mais plectere (dobrar, entrelaçar). Abrir os braços é acolher, receber algo, disponibilizar-se. Plecto exprime a ação de enlaçamento, dobrar-se ao outro. Abraçar é trazer alguém para perto de nós, de forma indissociável, com troca de energia e compartilhamento da respiração e de batimentos cardíacos. 

E é sempre é tão bom, né? Seja na pontinha dos pés, com a cabeça aninhada no peito ou com os braços em volta das espaldas alheias: está para nascer um gesto mais completo para expressar a felicidade e a gratidão de ter alguém querido por perto.

Se os abraços ainda não são uma realidade plena, que não nos falte a perspectiva, a vontade e as pessoas por quem desejamos encostar (e acalmar) nosso coração assim que isso tudo passar.

Leia mais
Crianças caxienses expressam, com desenhos, o que estão sentindo durante o distanciamento social
Idosas de Caxias costuram colcha e vendem por R$ 500 para comprar cestas básicas para necessitados
Com isolamento, crianças estão menos doentes em Caxias do Sul


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros