Pequena notável: conheça Pietra Rosolen Rivoli, que aos 12 anos já coleciona uma série de conquistas esportivas - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Sociedade29/05/2020 | 20h06Atualizada em 29/05/2020 | 20h06

Pequena notável: conheça Pietra Rosolen Rivoli, que aos 12 anos já coleciona uma série de conquistas esportivas

Ela é filha do empresário e ex-atleta de vôlei profissional pela UCS, o mineiro Rodrigo Rivoli, e da advogada Josana Rosolen Rivoli

Pequena notável: conheça Pietra Rosolen Rivoli, que aos 12 anos já coleciona uma série de conquistas esportivas Juliano Vicenzi/Divulgação
Foto: Juliano Vicenzi / Divulgação

No dicionário de Pietra Rosolen Rivoli, 12 anos, as expressões firmeza, persistência e segurança vão muito além do significado literal de seu nome (que tem origem grega Pétros – pedra), e servem como lemas diários para exercitar sua atividade esportiva favorita: o tênis.

Filha do empresário e ex-atleta de vôlei profissional pela Universidade de Caxias do Sul, o mineiro Rodrigo Rivoli, e da advogada Josana Rosolen Rivoli, a bento-gonçalvense despertou para a modalidade com apenas quatro anos, quando o pai havia retornado de uma viagem e a presenteou com uma raquete, para que eles pudessem juntos praticar o esporte, inicialmente como hobby.

– Comecei a competir com oito anos, e depois disso fui gostando cada vez mais e mais desse jogo – lembra Pietra.

Leia mais
Vanessa Fortes Tonietto fala sobre família, prazeres da vida e do novo desafio no mundo da fotografia
Há sete meses vivendo em meio à natureza, Doris Peteffi Guerra conta por que largou a vida na cidade

Até o início de 2019, o pai fez o papel de treinador. A partir desse momento, a tenista que contabiliza uma expressiva história de conquistas também como atleta do Recreio da Juventude, Sabrina Giusto, que atuava na Sociedade de Ginástica de Porto Alegre, e já havia elogiado a postura competitiva de Pietra, assumiu a função de técnica de tênis do Recreio da Juventude. Então, ela passou a treinar, também, em Caxias do Sul.

– A Sabrina havia me visto treinando em uma ocasião e gostou de mim.

A partir de então, a menina começou a dividir sua agenda de treinos entre Bento e Caxias. Com o atual recesso social, as atividades da jovem pelo clube esmeralda são realizadas virtualmente todas as segundas, quartas e sextas-feiras.

– Está tudo ‘praticamente normal’, tenho contato com os treinadores, continuo com os treinos físicos e técnicos todos os dias. Me sinto feliz com as conquistas, que me estimulam a continuar, pois, assim não preciso me preocupar com o resultado, ele virá naturalmente.

Questionada sobre como concilia o tênis, a escola e os momentos de lazer, ela brinca:

– Nem eu sei direito (risos). Mas não posso ficar perdendo tempo. Preciso seguir a rotina de compromissos.

Determinada, Pietra sabe que o esporte exige muita disciplina, mas, sempre dedica algumas horas para outras ações criativas, como por exemplo, assistir séries na Netflix. 

– Também leio sobre tênis, biografias de tenistas e gosto de jogar cartas com meus avós. Eu sempre ganho deles – evidencia com felicidade.

A pequena atleta também gosta de jogar futebol americano e basquete com o pai e se diz, também, apaixonada e fiel torcedora do Galo, o Clube Atlético Mineiro de Futebol.

– Meu pai é natural de Belo Horizonte, aí quando vamos para Minas Gerais, vou ao estádio. E sou pé quente, pois, nos jogos que acompanhei, sempre vencemos.

Mesmo nos momentos de lazer, Pietra não descuida da alimentação. Entre os pratos preferidos, as guloseimas e doces dão lugar à cozinha tradicional.

– Adoro a massa com galinha caipira que a minha avó, Anadir Fátima Rosolen, prepara. Mas também aprecio muito a comida japonesa e, claro, um bom churrasco.

De acordo com Rodrigo Rivoli, a filha possui muita serenidade para lidar com a pressão imposta pelos jogos, além de uma grande capacidade de resiliência. A postura de Pietra em relação à vitória e à derrota é algo que vem sendo trabalhado desde sempre pelo pai, para que ela consiga enfrentar com leveza os desafios do esporte. Esse hábito fortalece a atleta, que já conquistou medalhas como a de vice-campeã no ranking brasileiro de Tênis pelo Campeonato Brasileiro Interclubes – Etapa São Paulo, e campeã do Ranking Estadual Infantojuvenil.

– Sempre entro em quadra para ganhar, mas, se isso não acontecer, eu parabenizo o adversário e continuo treinando com a certeza de que vou me tornar melhor – destaca a pré-adolescente, que almeja se tornar uma tenista profissional, em um futuro não tão distante.

Preferências

Séries preferidas
:: “Friends”;
:: “The Last Dance”;
:: “The Big Bang Theory”.

Ícones do Tênis
:: A norte-americana Serena Williams;
:: O espanhol Rafael Nadal;
:: A romena Simona Halep.

Leia também
Quais hábitos você manterá pós-isolamento?
Nivaldo Pereira: estrelas e bandeiras
Tríssia Ordovás Sartori: Saudade dos abraços

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros