Frei Jaime: aprender a viver não é muito simples - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião01/05/2020 | 08h00Atualizada em 01/05/2020 | 08h00

Frei Jaime: aprender a viver não é muito simples

Que o mês das mães e de Maria seja inspirador e de muita esperança

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! O amanhecer acontece mansamente... Estamos no 2º dia do mês de maio... O sábado é sempre inspirador, mesmo que o momento não seja tão propício... O mais importante é dar-se conta do valor da vida e não lamentar-se, pois muitos estão em situação bem pior do que a nossa! Feliz sábado! Que o mês das mães e de Maria seja inspirador e de muita esperança! 

"A vida é mesmo um paradoxo: primeiro, morremos de amor. Depois, de saudade. E aí, só depois de tanto morrer que aprendemos o que é viver de verdade." (Lucão). 

Aprender a viver não é muito simples, pois está repleto de mistério e de oportunidades. Ninguém nasce sabendo por onde andar e qual caminho escolher. Tudo passa pelo aprendizado e pela capacidade de lidar com o que os olhos não veem, mas o coração sente profundamente. É comum morrer de amor, como força de expressão. Praticamente todos aqueles que permitem deixar-se envolver pela normalidade existencial, passam por diferentes fases da vida.        

Quer ler mais textos do Frei Jaime?
Clique para conferir textos dos colunistas do Pioneiro

Quem já não chorou por causa de uma paixão? Quem já não sofreu uma decepção ou um distanciamento? São muitas as ‘mortes’ que o cotidiano oferece. Para chegar à maturidade, a grande maioria morre de amor e de saudade. Quando tais processos acontecem, a impressão é de que ninguém ficará vivo. Porém, os dias vão passando e o vulcão interior vai se acomodando. É necessário muita habilidade para aprender a lidar com as disparadas e as incoerências do coração. Pensando bem, o coração é mesmo indomável, pois não aceita as ponderações da razão. Muitas vezes o não querer sentir ou até o não poder alimentar determinados sentimentos, em nada contribui para aquietar o coração. Ao longo da vida, em muitos momentos, a afetividade não se deixa moldar pela racionalidade. Para morrer de amor, não existe idade determinada. Com um pouco de liberdade, o amor se reinventa e leva o coração para horizontes infinitos. Ainda bem que o tempo não cede nenhum centímetro e, aos poucos, os sentimentos se acalmam e a vida volta à normalidade. Viver é grandioso, desafiador e empolgante. Alguns são mais hábeis na administração dos sentimentos. Mas a grande maioria leva muitos tombos até aprender a se erguer e caminhar em direção à felicidade. Por outro lado, é muito importante não desaprender a arte de apaixonar-se, mesmo que em alguns momentos seja dolorido. Só quem ama verdadeiramente compreende o significado do viver. Bênção! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!

Leia também
Como empreendedores de Caxias estão enfrentando as incertezas causadas pelo coronavírus
Artistas caxienses contam como tentam se adaptar à nova realidade temporária, após a pandemia

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros