Ciro Fabres: amanhã - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião20/05/2020 | 07h01Atualizada em 20/05/2020 | 07h01

Ciro Fabres: amanhã

Quando o sol se põe, e agora com o home office as possibilidades de admiração pelas sacadas e janelas, aos fins de tarde, têm sido mais generosas, é porque o amanhã está se aproximando. Ah, o amanhã, lugar da saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi, na síntese impecável de Renato Russo, um conceito poético para utopia, o que pode parecer redundante.

O presente, o hoje, apesar dos pesares, dos percalços e das pandemias, é a bênção, é a dádiva, é a vida. O amanhã é o anseio de uma nova vida. Em outros tempos, o amanhã simbolizou a busca da liberdade, de um pouco de justiça social, de democratização de oportunidades. Em alguns casos, esse amanhã ainda não chegou, está longe, e deveria nos mover nessa perseguição ao que ainda falta, ao “tudo que eu ainda não vi”. Mas não, essa ânsia do amanhã generoso – porque é também para os outros – extraviou-se pelo caminho. Coincidentemente, desde então, o mundo perdeu muito da graça.

Leia também
Ciro Fabres: esse rock...
Ciro Fabres: heróis mascarados

A mais recente peça publicitária da rede Zaffari recupera um clássico dos Anos 70 e 80 e nos devolve por instantes ao conceito histórico e poético do amanhã. Embalada no ambiente familiar que caracteriza a rede, soa a melodia da música Amanhã, de Guilherme Arantes, anos mais tarde interpretada por Caetano Veloso. Naquele tempo, era a utopia em forma de música, que tocava familiar nas rádios e nos walkmans de então – para quem não sabe o que é walkman, tratava-se de um precursor dos aplicativos musicais de hoje, mas movido a fita cassete. Fita cassete? O que é isso?

“Amanhã será um lindo dia, da mais louca alegria... / Amanhã, mesmo que uns não queiram, será de outros que esperam ver o dia raiar... / A luminosidade, alheia a qualquer vontade, há de imperar...” Mas o anseio pelo amanhã melhor não ficava apenas na canção de Arantes. Também tem a clássica Apesar de Você, de Chico Buarque, de alta carga política e poética – “Amanhã vai ser outro dia... / Você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia... / Como vai se explicar vendo o céu clarear de repente, impunemente...” A luminosidade há de imperar, o céu vai clarear. Quer dizer, o amanhã, e tudo o que couber dentro dele, e quanto mais generoso melhor, é inexorável. Porém, precisa ser construído.

Esse horizonte mais largo para o amanhã alcança prioritariamente hoje uma questão mais dramática e imediata: poupar vidas, retomar padrões habituais de convivência. Estamos agora de olhos postos nesse amanhã. Sem esquecer que outros amanhãs vão existir. Depende de nós que sejam generosos ou não.

Leia também
Setor cultural aguarda resposta do prefeito sobre as medidas de enfrentamento da crise
Lista de aprovados do edital FAC Movimento tem pelo menos duas propostas de Caxias


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros