Pandemia de coronavírus pode reduzir taxa de natalidade, afirmam especialistas - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Filhos da quarentena17/04/2020 | 11h39Atualizada em 17/04/2020 | 13h39

Pandemia de coronavírus pode reduzir taxa de natalidade, afirmam especialistas

Medo da doença e incertezas na economia estão entre os fatores apontados

Pandemia de coronavírus pode reduzir taxa de natalidade, afirmam especialistas Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação

A notícia de que um casal indiano batizou seus gêmeos recém-nascidos de Corona e Covid viralizou nas redes sociais, semana passada, e rodou o mundo. Para além do pitoresco, os “coronababies” — como ficaram conhecidos — suscitaram uma importante questão: o impacto da pandemia na taxa de natalidade.

O maior tempo em casa, devido à quarentena, resultará em um “baby boom”, lotando maternidades daqui a nove meses? Ou o medo diante da doença e as incertezas em relação ao futuro da economia resultarão em queda no número de nascimentos?

Ainda não existem estudos científicos sobre o assunto. Conforme artigo publicado no The New York Times no dia 8 de abril, a ideia de que os casais estão se divertindo na cama por falta de opções de entretenimento não passa de uma lenda urbana, com origem num blackout ocorrido em novembro de 1965, quando nove estados norte-americanos e outro canadense ficaram 13 horas sem energia elétrica. Mesmo sem alterações atípicas nos índices de natalidade no agosto seguinte, a história sobreviveu no imaginário popular.

De acordo com pesquisadores ouvidos pelo jornal norte-americano, mesmo com as pessoas passando mais tempo dentro de casa, a tendência é de redução na taxa de natalidade dos Estados Unidos. A responsabilidade financeira das famílias diante da crise é um dos fatores decisivos para segurar a chegada dos bebês.

Para ampliar o debate sobre o impacto do coronavírus nas maternidades, conversamos com especialistas que analisaram o tema sob três diferentes pontos de vista: planejamento familiar, economia e comportamento sexual. Em comum, o entendimento de que a pandemia pode reduzir a taxa de fertilidade nos próximos meses.

Vale lembrar que o índice de fecundidade vem caindo desde os anos 1960, em todas as regiões do país e em todas as classes sociais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Enquanto na década de 1950, a média nacional era de seis filhos por mulher, hoje é de 1,7.

A consequência direta é o crescimento proporcional da população idosa. Até 2031, o Brasil terá 43 milhões de idosos — hoje são 28 milhões.

Dinâmica familiar em xeque

O abismo social existente no Brasil se manifesta em números quando o assunto é planejamento familiar — aquele conjunto de ações que ajuda a planejar a chegada dos filhos e previne casos indesejados de gravidez. Segundo o IBGE, embora registre queda acentuada nos últimos anos, a taxa de fecundidade entre as mulheres mais pobres e com menos escolaridade é de 2,9 filhos; já na faixa com maior renda e tempo de estudo é de 1,18.

mãe , filho , filha , filhos , maternidade , bebê , criança , recém-nascido , ternura , carinho , mão, amor<!-- NICAID(9090643) -->
Foto: roli seeger / Stock.xchng

Professora da UCS e psicóloga de família e casal, Bruna Krimberg von Mühlen acredita que a desigualdade exposta pelas estatísticas deve gerar impactos diferentes na taxa de natalidade, mesmo em tempos de pandemia:

— Quanto maior o acesso à informação e o nível de escolaridade do homem e da mulher, menos eles vão arriscar ter filhos neste momento, justamente pela consciência dos riscos e da responsabilidade que envolvem uma criança. Por isso acredito que o coronavírus pode afetar negativamente a taxa. Já para as pessoas em vulnerabilidade social, talvez o efeito não seja o mesmo, embora ainda não possamos afirmar.

A profissional acrescenta: um dos impactos imediatos da pandemia é a mudança na dinâmica familiar. Para Bruna, todas as crises e momentos de estresse carregam potencial tanto para aproximar quanto para afastar os casais, dependendo de como a situação é encarada:

— Os casais considerados funcionais não são os que não têm problemas, mas os que conseguem utilizar as crises para fortalecer a relação. Para quem tem filhos, é importante estabelecer fronteiras claras entre os momentos de ser pai e mãe e os momentos de curtir a dois.

Crise econômica gera receio

As projeções não são nada otimistas. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia global deve experimentar em 2020 a maior retração desde a crise de 1929, com queda de 3%. Para o Brasil, a estimativa é de retração ainda mais acentuada na atividade econômica: 5,3%.

bebê recém-nascido deitado chorando<!-- NICAID(13382903) -->
Foto: pixabay / divulgação

Para o economista Mosar Leandro Ness, professor da UCS e assessor de economia e estatística da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul, o cenário recessivo pode desencorajar casais que planejam ter filhos:

— Provavelmente vamos ver uma queda no número de nascimentos, principalmente neste ano. A relação entre natalidade e economia está no grau de incerteza que as pessoas vislumbram no horizonte, porque você olha para frente e não sabe se terá emprego. Sem ter certeza sobre a manutenção da renda, dificilmente um casal consciente vai planejar ter uma criança na quarentena.

O professor cita um exemplo histórico: nos meses seguintes ao crash da Bolsa de Valores de Nova York, em outubro de 1929, a taxa de natalidade dos Estados Unidos declinou.

— Houve um hiato nos nascimentos, de maneira geral. E note que, naquela época, eles nem tinham os métodos contraceptivos que temos hoje — destaca o economista.

Mais tempo, menos libido

Eduardo Fortunatti, psicólogo caxiense com experiência clínica em terapia de casais, acredita que o confinamento imposto pelo coronavírus pode comprometer a dinâmica sexual e, consequentemente, a taxa de natalidade. Ou seja, aquela ideia de uma quarentena afrodisíaca não encontra respaldo nos relatos ouvidos no consultório.

Pai, filho, bebê, carinho<!-- NICAID(12375980) -->
Foto: HolgersFotografie / Pixabay

Afinal, além do medo de ser contaminado, de perder amigos ou parentes durante a pandemia e até mesmo a preocupação financeira, que está roubando o sono de muita gente, o excesso de convivência pode amortecer o desejo sexual que havia, por exemplo, nos reencontros após um dia cansativo de trabalho.

— O fato de o casal estar em casa poderia ser visto como uma lua de mel, mas a maioria não está conseguindo lidar dessa forma. O que se percebe é um ambiente com mais brigas e mais desentendimentos. Sabemos que, quando a relação passa por turbulências, uma das áreas mais afetadas é a sexual. Muitos pacientes mencionam que não estão mantendo relações neste período. E quando estão, é com menor frequência — conta o terapeuta.

Outro fator que pode gerar problemas na interação sexual, segundo o psicólogo, é a naturalização da rotina e a consequente “perda de filtro” na hora de agir com o outro:

— Sempre digo em terapia: muitas vezes tratamos melhor uma pessoa na rua ou um colega de trabalho do que o namorado ou a namorada. É um erro que muitos casais cometem e que afeta a libido.

Leia também:
VÍDEO: veja novo clipe do músico Gabrre, de Gramado
Fábio Panone Lopes é um dos artistas engajados no projeto  #socialvirus
Nova edição do Atelier Virtual será realizada neste sábado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros