Ciro Fabres: Xarope - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião22/04/2020 | 07h00Atualizada em 22/04/2020 | 07h00

Ciro Fabres: Xarope

Parece não haver dúvidas: o corona é um vírus xarope

Eu gostava de xaropes. Isto é, daquele líquido medicamentoso, geralmente adocicado, com finalidades terapêuticas, que minha mãe me alcançava equilibrando na colher quando era criança e pré-adolescente. Desde então, simpatizo com xaropes porque remetem à infância, aqueles dias luminosos que antecederam tudo o que viria depois. Gostava porque tinha aquele gosto adocicado, que não é tão comum ao sabor de muitos medicamentos. E o gosto dos remédios sempre era uma inquietação. Nunca se sabia a experiência que estava por vir. Mas, quando era um xarope que as mães manejavam para combater a tosse ou qualquer mal-estar, havia um certo alívio, pois a tendência era ser aceitável ao paladar.

Leia mais
Ciro Fabres: novo mundo, ainda não
Ciro Fabres: Jesus e o ladrão

Os xaropes que tomamos na infância ocupam algum lugar na memória. Havia formulações farmacêuticas, mas também manipulações caseiras. O xarope à base de guaco era o mais popular, havia variações que incluíam mel, limão, alho, gengibre. Por ser adocicado, no entanto, às vezes causava alguma repugnância, de onde provavelmente derivou a conotação pejorativa do termo. Conotação um tanto contraditória, porque, na essência, xarope é útil para a administração inicial de problemas caseiros de saúde. Então, uma pessoa passou a ser carimbada de “xarope” quando é chata, cansativa, causadora de embaraços, criadora de problemas.

Parece não haver dúvidas: o corona é um vírus xarope. Na verdade, é bem mais grave do que isso, porque leva vidas embora, e xarope é uma designação quase folclórica, despida de gravidades. Mas, ao interferir nas atividades cotidianas, ao estabelecer obstáculos de toda ordem, sem dúvida que o corona é um xarope clássico.

Há outras figurações associadas ao coronavírus, menos caricatas do que essa. O desembargador Leoberto Brancher, entusiasta e propagador dos conceitos da justiça restaurativa, associa o coronavírus à falta de ar, uma característica resultante do sufocamento em diversas esferas causado pelo nosso modo de vida, de organização da sociedade, que alcança a condição patológica sob a forma de pandemia. Bastante simbólico.

Dias atrás, ouvi mais uma figuração interessante, essa associada ao automobilismo. O coronavírus impõe a necessidade de um pit stop para a humanidade. Não o pit stop planejado que se vê na Fórmula 1, quando se trocam pneus e se abastece na hora programada. Mas sim um pit stop forçado, que exige levar o carro para a oficina, e por lá é preciso ficar uma temporada, acostumados que estamos às facilidades que um automóvel permite. O coronavírus exige o pit stop forçado, o que certamente será útil para inventarmos e descobrirmos outras possibilidades e operacionalidades para o nosso modo de vida. E, assim, não vivermos o tempo todo com falta de ar.

O coronavírus é um baita xarope.

Leia também
Secretário da Cultura de Bento participa de conferência sobre papel do setor na pandemia
Saiba mais sobre a série "A Máfia dos Tigres", um dos maiores sucessos recentes da Netflix
Live promovida por músico caxiense arrecada sete toneladas de alimentos para doação

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros