Ciro Fabres: Jesus e o ladrão - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião08/04/2020 | 07h00Atualizada em 08/04/2020 | 07h00

Ciro Fabres: Jesus e o ladrão

Há outros componentes muito importantes na Sexta-Feira Santa e na Páscoa

No tempo de estudante, havia a chamada quinta-feira santa. E era feriado. O que retenho daquele tempo são quatro compartimentos da memória: a satisfação do pequeno estudante por um feriado de quatro dias, já que havia a quinta-feira santa, em que a tradição cristã relembra da última ceia; os filmes da paixão e morte de Jesus Cristo, em que éramos iniciados na tradição cristã; as cestinhas de Páscoa com os coelhos e ovos de chocolate; e o bacalhau lá em casa, de quinta-feira a domingo. Eu não gostava de bacalhau. Era um drama. Mais tarde, passei a gostar.

Leia mais
Ciro Fabres: as sacadas
Ciro Fabres: o ponto para o distanciamento

Esta é a memória. Depois, aos poucos, fomos elaborando significados, e entendendo a Páscoa como a principal data cristã. Na Páscoa, é a hora da verdade. É quando a mensagem cristã se revela na sua essência, e ela causará contradições. A Páscoa é entendida como ressurreição. A palavra ressurreição é central no vocabulário da Páscoa, mas pode camuflar as revelações e intenções pascoais quando tomada em um sentido mais vago, genérico e sem maiores compromissos. Prefiro entendê-la como renascimento. Na prática, um renascimento é uma ressurreição, mas renascimento tem uma vantagem: todos sabemos o que é. A Páscoa traz a contradição maior com nosso tempo quando propõe: o renascimento é possível a qualquer um, a qualquer hora, em qualquer lugar.

Há outros componentes muito importantes na Sexta-Feira Santa e na Páscoa. Os ladrões na cruz, ao lado de Jesus, por exemplo. É, há ladrões nesta história. E para complicar ainda mais, para trazer a história para o nosso tempo, um deles inventou de "renascer", arrependendo-se. Renasceu na cruz, na undécima hora. E ganhou o perdão do Messias, o verdadeiro. O salvo-conduto de Cristo é inapelável: "Ainda hoje estarás comigo no paraíso." E o ladrão virou até santo: São Dimas.

Olha aí o desconforto, quando se vive em um tempo em que é popular, inclusive entre muitos autodeclarados cristãos, a noção de que bandido bom é bandido morto. Essa tese não se concilia com a prática cristã, pois nega a possibilidade de um renascimento. Ou se assume um caminho, ou se assume outro. Porque renascer é a essência da Páscoa. Nascer de novo, o que se viu literalmente com a ressurreição de Cristo, nos comunica esse simbolismo central. Em tempo, o ladrão cumpriu a pena, e sua vida pregressa levou-lhe à morte na cruz. Mas renasceu.

Ninguém está a defender que não se cumpram penas. Apenas se registra que o renascimento é possível a qualquer um, em qualquer lugar. Esse é o significado da Páscoa, que pode desnudar contradições terríveis. Goste-se ou não. É pegar ou largar.

Leia também
Projeto #CaxiasPelaJanela incentiva comunidade a fotografar a cidade de dentro de casa
Caxiense Camila De Zorzi investe nos bordados em novo momento da carreira
Artistas de Caxias apostam em campanhas na internet para driblar crise

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros