Frei Jaime: ter que ficar longe não é ausência de afeto, mas intensidade de amor - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião26/03/2020 | 08h23Atualizada em 26/03/2020 | 08h23

Frei Jaime: ter que ficar longe não é ausência de afeto, mas intensidade de amor

A vida acontece entre a proximidade e o afastamento

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! A quinta-feira chega sem grandes anúncios... O silêncio tem circulado por ruas e avenidas, bairros e centros... A maioria das portas estão fechadas, mas os corações estão mais atentos, um pouco angustiados, mas muito esperançosos... Nada de tristeza! Nós confiamos na força de Deus! Feliz quinta-feira! 

"Sei que é estranho, mas por um tempo distância é declaração de amor." (Zackmagiezi). 

A vida acontece entre a proximidade e o afastamento. Em alguns períodos, física e emocionalmente, estamos mais próximos e em outros momentos, nem tanto. Na maior parte das vezes, as escolhas aproximam ou distanciam. Mas as circunstâncias também podem impor a presença ou a ausência. Quando se trata do bem do outro e do próprio bem, a distância é uma comovente declaração de amor, com uma linguagem nem sempre compreendida. 

Ter que ficar longe, não é ausência de afeto, mas intensidade de amor, ao ponto de aceitar tal imposição. Em determinadas situações, a vida é praticamente obrigada a fazer experiências jamais imaginadas. Somente o amor e a consciência do valor da vida podem servir de argumentos, para assimilar a realidade e continuar seguindo em frente, esperando que tudo passe e que o desfecho seja ótimo. 

Leia mais
Quer ler mais textos do Frei Jaime?
Clique para conferir textos dos colunistas do Pioneiro

Não é sacrifício ficar longe para, mais adiante, ficar sempre, lado a lado, dando vazão para a saudade, recontando histórias, celebrando a vitória da saúde. Quando a vida passa por um momento exigente, poucos recordam que a maior vitória já está acontecendo: estar vivo! O fato de ter vida e de poder dar continuidade aos sonhos, somente não tendo liberdade de deslocar-se de um lado para o outro, não justifica amarguras e lamentações. Tem gente triste por ter que ficar em casa. Mas ter um lar é motivo de vibração e de empolgação. Neste período de calmaria, ninguém deveria gastar o precioso tempo com reclamações. 

Todos possuem o que existe de mais valioso: o dom da vida. E o lugar de maior espontaneidade e realização é a família. Portanto, ao invés de lamentar as imposições, é importante agradecer e viver criativamente este momento, que será inesquecível, principalmente pelos ensinamentos. Um dia, a história será contada, mais ou menos assim: ‘era o ano 2020, a humanidade inteira foi obrigada ficar em casa. O mundo praticamente parou. Só saíam de casa aqueles que tinham a missão de cuidar para que não faltasse nada para os outros.’ Sentiremos saudades desse período. 

Bênção! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!       

Leia também
Como empreendedores de Caxias estão enfrentando as incertezas causadas pelo coronavírus
Confira como os partidos em Caxias se posicionam com relação à cogitação de adiamento do processo eleitoral
Artistas caxienses contam como tentam se adaptar à nova realidade temporária, após a pandemia

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros