Marcos Kirst: quem brinca com fogo... - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião17/02/2020 | 07h00Atualizada em 17/02/2020 | 07h00

Marcos Kirst: quem brinca com fogo...

Mau gosto, madama, é acharem que podem sequestrar o meu direito de acesso à cultura e às artes

da, que bela desgraça, é essa desdita que vem e não passa, num triste balanço a caminho do mal. Sim, sim, estou me referindo a essa onda que ancorou aqui nesse nosso Brasil nos últimos tempos e que insiste em não ir embora: a de vira e mexe alguns aqui, outros acolá, acharem que têm o direito de ditar censura a obras de arte, julgando que somos criancinhas que devem ser tuteladas em suas capacidades de julgar o que é bom e o que é ruim, o que é estético e o que não é, o que tem bom gosto e o que não tem. Mau gosto, madama, é acharem que podem sequestrar o meu direito de acesso à cultura e às artes, o meu poder de julgar e avaliar por conta própria, de acordo com meus próprios parâmetros.

Leia mais
Marcos Kirst: milagres na própria aldeia
Marcos Kirst: o que não vem por download

Hitler, aquele do bigode e das raivas assassinas, mandou queimar livros. E onde se queimam livros, né, madama, logo se passa a queimar pessoas. A História está aí, para ensinar; a memória, para lembrar; e o bom senso, para nos ajudar a evitar que se repitam barbáries. O andar do processo civilizatório não pode ter a opção da marcha-a-ré. Cabe a nós darmos um freio naqueles que miram o retorno às trevas. Mas é preciso estar alerta, porque sempre aparece um novo Torquemada ou um novo Goebbels querendo extinguir os nossos direitos. Mas não passarão! Até porque, já compilei uma listinha de livros que inspiram essa gente, a serem também banidos de nossas prateleiras. Veja se a senhora concorda:

O primeiro a ir para a fogueira é o “Dom Picote”, aquela obra em que um censor anda a cavalo pela região da Mancha Gráfica, de lança em punho, picotando livros de autores consagrados, acompanhado de seu assessor acéfalo, o Sancho Tança. Outro é “A Malvina Tragédia”, em que o autor, Dante Tristieri, percorre Inferno, Purgatório e Paraíso destruindo todos os livros que encontra pela frente. Baniremos o antigo “Maudisseia”, escrito pelo grego Maumero, que traz a saga de Maulisses singrando mares e mundos a caçar escritores e livros. No âmbito da literatura nacional, destruiremos o clássico “Dom Censuro”, de Mauchado de Assaz, que nos lega a eterna dúvida sobre a conduta da personagem Vemcapitu: ela censurou ou não cesurou? “A Censura Mágica”, de Thomas Mau, eliminaremos sem dó nem piedade. Não escapará de nossa sanha piromaníaca o aclamado “Ensaio Sobre a Fogueira”, de Josué Salamargo, e daremos fim ao “Fogueira Arcaica”, do Radão Assar. Assim, madama, faremos uma limpa na biblioteca básica dos censores de plantão. Claro, não sei se vai adiantar muito, porque, afinal... censorzinho ditatorial sabe ler, hein?

Leia também
Calor e descontração marcam o primeiro desfile da 14ª Fenavindima, neste domingo, em Flores da Cunha
Caixas de afetividade: frei Celso Bordignon mostra sua coleção de relicários e fala sobre memórias
Na folia com estilo: aprenda a fazer uma maquiagem e um penteado prático e rápido para curtir o Carnaval

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros