Andrei Andrade*: a encruzilhada de cada um - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Opinião19/02/2020 | 07h00Atualizada em 19/02/2020 | 07h00

Andrei Andrade*: a encruzilhada de cada um

*O colunista Ciro Fabres está em férias

O quanto estamos dispostos a sacrificar para nos tornarmos quem somos?

Naquela que é a melhor frase do ótimo documentário da Netflix “O Diabo na Encruzilhada” (2019), sobre a trágica vida e morte do tocador de blues Robert Johnson (1911-1938),  Steven Johnson dá sua versão para a lenda do suposto pacto feito por seu avô com o diabo, ao qual ofereceu sua alma em troca da habilidade ao violão nunca dada a um homem: o pacto na encruzilhada é uma alegoria sobre o quanto cada um de nós aceita deixar para trás para encontrar a própria grandeza.

Saído da cidadezinha de Hazlehurst, no estado norte-americano do Mississippi, Robert Johnson era um músico mediano e frequentemente ignorado nas “jam sessions” (sessões em que os músicos se reúnem para tocar de improviso) antes de sumir por um ano ou dois, para então retornar aos palcos como o gênio que revolucionou o blues e abriu caminho para tudo o que veio depois (e, nesse caso, “tudo” não é mera força de expressão). É provável que Johnson tenha aproveitado a reclusão para derramar muito suor sobre o violão e aprender atentamente com os mestres, aproveitando as mãos de tamanho descomunal – que podem ser vistas numa das suas duas únicas fotografias conhecidas – para desenvolver uma técnica que não se conhecia. Mas acreditar nisso seria reconhecer que o esforço nos torna capazes, e precisamos imaginar que certas coisas são mesmo inalcançáveis, para nos aconchegarmos em nossos pequenos fracassos.

Apesar de toda desgraça, Johnson tinha uma vantagem: ele jamais duvidou que nasceu para tocar blues. A música, contudo, o conduziu à vida errante e desregrada nos anos de penúria e a arrogância no pouco tempo de fama que experimentou. “Com o gênio, vem o diabo”, avisa o bluesman Keb Mo em outro trecho do documentário. Johnson morreu envenenado, aos 27 anos, após beber um gole de um uísque destinado a ele por um marido traído. Conta-se que, antes de aceitar a dose, debochou do conselho de jamais beber de uma garrafa recebida sem o lacre.

Todos nós, um dia, iremos deparar com a encruzilhada, que em seus múltiplos caminhos irá nos obrigar a optar por um e renunciar aos outros. O pacto não é sobrenatural, é pessoal. É sobre o sacrifício de cada escolha de vida, é sobre nos tornarmos a pessoa que nascemos para ser.

Leia também
Vice-campeão do programa "Mestre do Sabor" cozinha em Caxias nesta terça e quarta
Livro vai contar história de empreendimentos serranos de gastronomia e hotelaria
Alexandre Pires e Raça Negra fazem a festa dos pagodeiros de plantão em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros