Pedro Guerra: nada do que foi será - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião17/01/2020 | 14h00

Pedro Guerra: nada do que foi será

Viver é como se fosse uma urgência, sabe? E assim nós nunca retornaremos ao nosso lugar de origem, já que ele não é mais um lugar de pertença

Pedro Guerra: nada do que foi será Antonio Giacomin/Divulgação
Foto: Antonio Giacomin / Divulgação

Você já reparou como nada volta a ser do jeito que já foi um dia? A ideia surgiu quando eu decidi desmontar a árvore de Natal na semana passada. O momento, que por si só já é um pouco traumático (você sabe, ele nos coloca frente a frente com o ano gigantesco que está por vir e isso dá um medo danado, além de simbolizar o adeus às férias na maioria das vezes), agravou-se quando eu tentei colocar todos aqueles galhos dentro da caixa de papelão. Tive que recomeçar umas três vezes, simplesmente porque a estrutura não cabia mais ali. Foi como se a árvore dissesse: depois que as coisas são vividas ou ganham o seu poder de uso, elas nunca mais voltam a ser as mesmas. Nem preciso dizer que isso serve de metáfora para as pessoas e situações da vida. É um pouco óbvio. Não precisamos de grandes aventuras ou traumas para entendermos que, depois de viver (o que quer que seja), dificilmente retornaremos para a nossa forma inicial – sejam as nossas convicções, as nossas pretensões ou até mesmo a nossa aparência física. Tal como a árvore, no espaço nos alargamos, e é engraçado pensar que jamais voltaremos a caber nos lugares que já frequentamos, nos lugares que afirmamos ser nossos durante tanto tempo (será que ainda são?).

Leia mais
Pedro Guerra: impronunciável
Pedro Guerra: então é Natal? 

Também é uma comparação óbvia, mas vamos lá: ficamos durante nove meses na nossa primeira caixa. No ventre. Somos expulsos a contragosto (eu acho), ou simplesmente porque não cabemos mais. Talvez também porque a gente precise viver, conhecer o novo, descobrir algo que jamais poderíamos conhecer se permanecêssemos para sempre acomodados sem a intenção de explorar. Viver é como se fosse uma urgência, sabe? E assim nós nunca retornaremos ao nosso lugar de origem, já que ele não é mais um lugar de pertença. Seremos sempre outros – a todo instante. Que babaquice a minha então de pensar que poderia acomodar a árvore de Natal na mesma caixa em que ela veio embalada de fábrica. Após a sua magnífica estreia (acho que só os meus pais chegaram a vê-la, mas quanto a isso tudo bem, pois estou tentando fazer mais coisas por mim e só), era claro que ela não aceitaria ser espremida, encolhida e literalmente encaixotada em um espaço tão pequeno. Minha árvore abriu os braços, ela abraçou a minha sala por um dezembro inteirinho, ela conheceu tantas coisas que jamais imaginaria ver. Talvez eu devesse seguir mais esse exemplo (sim, de uma árvore de Natal): quando algo nos limita, é preciso romper a barreira entre o comodismo e o infinito de possibilidades que o mundo nos reserva. Afinal, tudo passa. Tudo sempre passará...

Leia também
Renato e Seus Blue Caps fazem show em Caxias no dia 28 de março
Conheça as atrações do Tum Tum de Verão, em Caxias
"O violão me faz dialogar com Deus", diz Toquinho, atração do Paralelo Festival, em São Chico

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros