Marcos Kirst: o papa deu mais  que palmadas - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião06/01/2020 | 07h00

Marcos Kirst: o papa deu mais  que palmadas

Primeiro lugar, né, madama, bênção não se exige, bênção se recebe

Confessa, madama, que a senhora também ficou escandalizada com a cena protagonizada pelo papa Francisco na última noite de 2019, semana passada, às vésperas da virada do ano, quando ele precisou dar dois tapinhas nas mãos de uma peregrina impertinente que o agarrava pelo braço exigindo bênção, na Praça São Pedro, no Vaticano. Primeiro lugar, né, madama, bênção não se exige, bênção se recebe (no máximo, se pede com educação, o que faltou à peregrina, é verdade, porém, facilmente desculpada devido à emoção que a possuía ao ver-se cara-a-cara com o sumo pontífice, de quem acabou obtendo foi o privilégio único de receber sumas e santas palmadas). Todos viram a cena, que rapidamente viralizou mundo afora, via redes sociais e, depois, mídia tradicional (a senhora mesma já assistia ao episódio papal na tela de seu smartphone poucas horas depois, em arquivo compartilhado pelas suas amigas da hora do chá, confessa), gerando espanto devido à perda da paciência por parte do papa, que, ali, descortinava seu lado humano e, ipso facto, falível (“ipso facto” significa “por isso mesmo”, madama, a senhora sabe que não resisto a um latinismo ao abordar temas papais).

Leia mais
Marcos Kirst: a rica lição do pobre poeta
Marcos Kirst: Tudo começou após o térreo

Mas o espanto generalizado frente a um súbito arroubo de perda da paciência não se justifica em se tratando da ação dos protagonistas do cenário do universo cristão, onde os episódios se acumulam. A meu ver, todas as vezes em que isso aconteceu, a justificativa era válida. Jesus Cristo, ele mesmo, perdeu a paciência bonito ao entrar em Jerusalém e deparar com o templo sagrado tomado por vendilhões, aos quais tratou de expulsar a chicotadas, viradas de mesa e xingamentos. Bem que fez. Deus, no Antigo Testamento, perdeu a paciência várias vezes com a humanidade pecadora que ele mesmo havia criado, com consequências trágicas, bastando lembrar do Dilúvio e da destruição de Sodoma e Gomorra. Não há dúvidas de que o mau comportamento dos seres humanos é capaz de tirar do sério até mesmo seu Criador. Quem tinha paciência mesmo era Jó, mas daí já é querer demais de nós todos, simples mortais, pecadores e papas.

Mas se ao perder a paciência o infalível papa demonstrou ser moldado pela mesma essência que rege todo o restante da humanidade, foi ao reconhecer seu erro e vir a público pedir desculpas, já no dia seguinte, que ele revelou o aspecto que o diferencia de todos nós, madama: a senhora, eu e todos os bilhões de etceteras que nos cercam. Ele humanamente errou, sim. Mas, depois, reconheceu o erro, mostrando o caminho, que é o que esperamos de um papa. Quem de nós segue o exemplo?

Leia também
Mesmo com fechamento da Aliança Francesa em Caxias, intenção é manter Festival Varilux
Nicolau Amoretti: um porto-alegrense na Colônia Caxias
Conheça a história do casarão mais antigo do centro de Caxias habitado pela mesma família

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros