Frei Jaime: muitas vezes, o apego rouba a alegria e a simplicidade - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião14/01/2020 | 06h30

Frei Jaime: muitas vezes, o apego rouba a alegria e a simplicidade

O desejo de viver bem implica num verdadeiro investimento existencial

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! Acordando aos poucos... Gratidão à claridade, que anuncia a chegada deste novo dia! Que a vida seja intensa nesta terça-feira... As muitas ocupações aguardam por paz no coração.... Não vou deixar nenhuma fresta para o desânimo, pois ele não é mais forte do que a minha determinação! 

"Minha paz vem da certeza de que o meu melhor nunca dependeu do pior de ninguém." 

O desejo de viver bem implica num verdadeiro investimento existencial. A ocupação com as coisas da vida gera satisfação e, também, algumas eventuais preocupações. Por muito tempo, o foco de praticamente todas as famílias era o crescimento material: acumular para depois viver. Nem todos os que reuniram uma boa quantidade de bens conseguiram desfrutar de uma vida menos sacrificada. Muitas vezes, o apego rouba a alegria e a simplicidade, além de comprometer a paz. 

Mas de onde vem a verdadeira paz? Quanto maior for o cultivo da interioridade, maior será a paz. Para alcançar e viver a paz não é necessário ver os outros numa situação pior. Não são poucas as pessoas que, egoisticamente, se sentem bem por terem deixando os outros numa situação pior. A vingança é sutil e assustadora. 

Leia mais
Quer ler mais textos do Frei Jaime?
Clique para conferir textos dos colunistas do Pioneiro  

Ficar feliz só pelo fato de saber que o outro está mal é pouco saudável. As doenças emocionais se agravam com a inveja, a revanche, o ódio e a multiplicação de ofensas. Querer ver os outros sofrendo, enfrentando situações desastrosas é algo pouco humano. É decepcionante ver pessoas bem esclarecidas carregadas de maldades e de estratégias destrutivas. Agir assim é sustentar uma guerra silenciosa, que rouba a alegria e a paz de tantos, que se tornam vítimas da maldade. Ficar feliz por ver os outros infelizes é algo doentio, digno de tratamento. 

Nada substitui a paz que advém do fato de ter feito o melhor para os outros e para si mesmo. Não pode ser chamado de paz o sentimento que surge da ação, que deixou alguém numa situação dolorida. Como tudo seria diferente se ninguém arrancasse de si o desejo de ver todos bem. É muito bonita a vida de quem não pensa somente no seu próprio bem. Abrir espaço e dedicar-se na promoção do bem dos outros é algo incrível, digno de destaque e fonte daquela paz, que é maior do que a própria alma. As pessoas que desejam e torcem para que os outros estejam numa situação de sofrimento, são simplesmente infelizes. O segredo é evidente e prático: encontrar a paz, sem diminuir ou machucar alguém. 

Bênção! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!

Leia também
Parque das Araucárias é de tirar o fôlego
Empresa que administrará porto de Arroio do Sal deve começar a construir prédio administrativo em março
"É priorização", afirma secretário estadual sobre recurso para desapropriações na área do futuro aeroporto de Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros