Conheça o chef carioca radicado na Serra que faz história com seu talento na culinária - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Sociedade10/01/2020 | 14h47

Conheça o chef carioca radicado na Serra que faz história com seu talento na culinária

Desde 2018, Alex Szigethy está à frente do Le Coq Bistrô, em Caxias do Sul

Conheça o chef carioca radicado na Serra que faz história com seu talento na culinária Fábio Grison/Divulgação
Foto: Fábio Grison / Divulgação

Natural do Rio de Janeiro, o chef de cozinha Alexander Szigethy Antunes, festejado na praça como Alex Szigethy, 42 anos, filho de Laura Alice Szigetty (in memoriam) e Carlos José Antunes, tempera os dias pilotando forno e fogão. Marido de Cristiana Rech e pai de Gabriel, 4 anos, teve sua primeira experiência com a cozinha internacional no período em que vivia na mineira Juiz de Fora. Lá, formou-se cozinheiro no Senac Grogotó, em Barbacena. Depois do curso concluído, Alex descobriu, em 2007, a Escola Internacional de Cozinha Italiana da UCS/ ICIF, em Flores da Cunha.

Leia mais
Radicada há 29 anos nos Estados Unidos, Ana Gazzola fala sobre vida, carreira e música
Conheça o médico caxiense que é o "anfitrião" do Papai Noel

Estabelecido na Serra gaúcha, o cozinheiro graduou-se na ICIF e viajou pelo Brasil e pelo mundo atuando nas cozinhas de restaurantes estrelados em lugares como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espanha. A paixão pelo fazer gastronômico e pela nouvelle cuisine também o levou à Índia, onde aprofundou conhecimentos com ingredientes exóticos e outras especiarias, com uma diferença de dez anos entre uma morada e outra.

O Le Coq Bistrô, que inaugurou em dezembro de 2018, é o quarto restaurante que ele deu origem em Caxias do Sul. Antes, foi o linha de frente do Alambique, do Jazz Gastropub e do Bistrô São Lourenzo. Em férias com a família até o dia 15, Alex conversou com a coluna.

João Pulita: O Brasil na gastronomia é...
Alex Szigethy:
Como o nosso povo. Diversidade na cores, aromas, sabores e muito ainda a ser descoberto.

Qual sua receita autoral mais famosa?
Camarão crocante na geleia de pimenta.

O que te inspira?
Viajar, ler e comer.

Quem são os mestres na sua área?
Entre os brasileiros admiro muito o trabalho dos chefs Leo Paixão e Roberta Sudbrack. Na gastronomia internacional, reverencio Alain Passard, Anne-Sophie Pic (a primeira chef que conquistou três estrelas no criterioso Guia Michelin) e os ícones já falecidos, Alain Chapel e seu mestre Fernand Point.

Cozinhar é uma ciência?
Segue o mesmo princípio, buscamos conhecimento baseado em métodos para obter o resultado desejado. Também costumamos dizer na gastronomia, que devemos estudar como um cientista e trabalhar como um operário.

Ingrediente favorito...
O da estação, no seu melhor momento.

Um tempero de família.
Coentro.

Seu prato predileto...
A mais tradicional comida brasileira: a feijoada.

O que é harmônico no sabor?
O equilíbrio e percepção na escolha dos ingredientes que se completam como o tomate e o manjericão, por exemplo.

O que é antagônico no sabor?
O equívoco na mistura de ingredientes que se repelem, como o queijo e o peixe.

Sabor é relativo?
Gosto sim, sabor não.

A comida do futuro será?
A mesma do passado. A comida vai estar sempre ligada às memórias mais afetivas. Esta é a nossa referência.

Natureza ou cidade?
Natureza. Nossa paixão está na origem.

O que significa ser um chef estrelado?
Penso que é uma consagração, um mérito.

Você tem fome de quê?
Conhecimento dentro da minha área, e essa fome só aumenta.

Qual sua receita de sucesso?
Continuo na busca (risos).

Leia também
"Quero morrer sendo livreiro", diz Maneco, de Caxias, ao completar 50 anos de profissão
Teatro, cinema e rádio: as outras áreas de atuação de Maneco, um dos livreiros mais antigos de Caxias
Conheça os livros de cabeceira de Maneco, que completa 50 anos no mercado editorial

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros