Pedro Guerra: a mensagem do pombo - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião06/12/2019 | 14h54Atualizada em 06/12/2019 | 14h54

Pedro Guerra: a mensagem do pombo

Sei que o final de ano nos reserva esse sentimento de renovações, de novos ciclos, mas eu preferi começar agora mesmo

Pedro Guerra: a mensagem do pombo Antonio Giacomin/
Foto: Antonio Giacomin

Já faz alguns dias que eu assisti a um vídeo da jornalista Mariana Ferrão onde ela contava os motivos que a fizeram abandonar a televisão. Basicamente, ela deixou de acreditar naquilo que estava fazendo e os seus últimos dias só foram esticados por conta do medo de chegar e pedir a demissão de uma vez. Um tempo depois, sentada em seu quintal, ela avistou uma dupla de corvos no telhado da sua casa e eles estavam dançando. Para a Mariana, não foi difícil compreender o significado daquela cena: os corvos simbolizam a putrefação, e eles estavam ali para alertar que não adiantava seguir em frente com algo que já tinha perdido a validade.

Leia mais
Pedro Guerra: por que as coisas boas acontecem
Pedro Guerra: a decisão mais difícil que já tomei

Achei o vídeo muito interessante, mas sabe como é... Qualquer coisa que acontece na nossa vida, sempre tendemos a negativar ou enxergar superficialmente. Isso aconteceu até o início dessa semana, quando entrei no meu quarto e avistei um pombo em cima da minha cama.

Sim, um pombo.

E ele era gigante.

Em um primeiro momento ele se assustou, é claro. Já eu, mais ainda. Saí correndo e gritando, fechei a porta na tentativa de trancá-lo ali e sentei para me acalmar. Na cabeça, um só pensamento: o que mais falta acontecer comigo? É claro, a gente adora se vitimizar. Culpado fui eu que deixei a janela escancarada e o pombo, coitadinho, nem sabia direito onde estava.

Nos minutos seguintes eu elaborei estratégias diversas sobre como expulsá-lo do meu quarto, mas acontece que eu nunca tive que lidar com um pombo em cima da minha cama. O Google foi direto e claro quando pesquisei sobre os modos de capturar um pombo: passo 1 – compre uma armadilha. É sério?! Quis quebrar o computador, é óbvio. Você sabe... Semana difícil.

O resultado da história toda foi que, depois de um e-mail para a minha mãe (eu estava sem bateria no celular e o carregador... Bem, adivinhem onde estava), pedindo para que ela ligasse para o meu pai vir lidar com o pombo invasor, conseguimos espantá-lo janela afora – na verdade o mérito foi todo do meu pai.

De janelas fechadas pelo restante do dia, foi hora de refletir. Antes de tudo, pesquisei sobre a simbologia dos pombos e descobri que, além da tradicional ideia de paz, eles transmitem harmonia, esperança, simplicidade e felicidade reencontrada. Automaticamente, entendi o porquê de um pombo ter pousado na minha cama (e redecorado o meu quarto com as suas necessidades, aliás): esta é a fase que estou, é a fase que eu quero estar.

Sei que o final de ano nos reserva esse sentimento de renovações, de novos ciclos, mas eu preferi começar agora mesmo. Um mês antes. Eu preferi visualizar a cena toda de um modo diferente (com umas horas de atraso, mas tudo bem). A hora é agora: eu não quero ter que receber a visita de nenhum corvo para procurar o que de putrefato ainda mantenho na minha vida. Eu quero iniciar uma nova fase – e ela começa hoje. Assim, aos poucos, a gente reencontra a felicidade que perdeu dentro de nós mesmos. Até porque, há pombos que vêm para o bem.

Leia também
À espera de um Noel: na luta contra o alcoolismo, Daniel pede orações para um dia rever o filho
À espera de um Noel: fã de Tonico e Tinoco, morador do Lar da Velhice São Francisco quer ganhar disco de Natal
Campanha de fim de ano do Grupo RBS destaca conexão com as boas notícias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros