Ciro Fabres: índios - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião11/12/2019 | 07h00Atualizada em 11/12/2019 | 07h00

Ciro Fabres: índios

Sobre índios, temos aqui pertinho de nós uma aldeia de caingangues em Farroupilha, a indicar um caminho

Sobre índios, temos perto de nós aquela cena clássica e inevitavelmente desconcertante em ruas centrais de Caxias, instalada um dia aqui, outro ali: a mãe sentada com os pequenos indiozinhos, no colo ou na calçada, à espera de um trocado ou ajuda. Alguma reflexão há de se estabelecer, fugaz, confusa ou desorientada, em boa parte dos passantes que topam com a composição real e ao mesmo tempo plástica dessa cena urbana itinerante.

Sobre índios, temos aqui pertinho de nós uma aldeia de caingangues em Farroupilha, a indicar um caminho. Uma aldeia relativamente organizada, uma comunidade, com projetos, trabalho social, uma escola. Caingangues como a mãe e os indiozinhos das ruas de Caxias.

Leia mais
Ciro Fabres: Paraisópolis e os ataques a Cacau Protásio
Ciro Fabres: o que importa

Sobre índios, há uma diversidade de etnias, uma história em nosso país e uma trajetória de líderes indígenas, de episódios emblemáticos, de agressões, de lutas. Há o pioneiro Mário Juruna, eleito deputado, o pataxó Galdino, queimado vivo por um grupo de cinco jovens brasilienses que saíam de uma noitada em 1997, o caiapó Raoni, incansável protetor da floresta. “Minha luta é para proteger a floresta, para que todos possamos viver em paz”, diz Raoni.

Sobre índios, é preciso constatar que 2019 foi terrível. Aliás, o fato principal do ano foram as queimadas descontroladas da Floresta Amazônica. Os recados transmitidos pelo governo federal foram bem entendidos por quem não tem pudor ou embaraço para devastar a floresta com propósitos econômicos. E a floresta é sagrada para os índios, para Raoni, para que “todos possam viver em paz”.

Mas a paz não é tão simples de obter, pois há interesses em jogo, e 2019 foi mesmo terrível. Sobre índios, é preciso divulgar a recente matança de três índios guajajaras de novembro para cá no interior do Maranhão. Um dos atentados foi sábado agora, e produziu duas mortes. A terceira vítima defendia o território indígena contra a exploração ilegal da madeira.

2019 teve ainda as manchas de óleo no oceano, outra modalidade de agressão ao meio ambiente, mas, em contrapartida, popularizou a adolescente sueca Greta Thunberg, 16 anos, na luta contra as mudanças climáticas. Nossas escolas precisam falar mais de Greta com seus alunos.

Sobre índios, temos ainda a música antológica de Renato Russo: “Quem me dera ao menos uma vez / Que o mais simples fosse visto / Como o mais importante / Mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente.” Inegavelmente doente.

O futuro não é mais como era antigamente. Hoje, o futuro é mais concreto, individual, voltado a resultados. Antigamente, o futuro era mais dado a devaneios. 2020 bate à porta. O futuro de antigamente era mais generoso, concretamente.

Leia também
Canecas da Turminha da Soama são opção para o presente de Natal
Artista plástica goiana inaugura exposição "Diários de Afeto", em Bento Gonçalves
Escola de Dança Bruna Maccari promove encontro artístico na Festa da Uva

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros