Artista plástica goiana inaugura exposição "Diários de Afeto", em Bento Gonçalves - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Artes 10/12/2019 | 08h00Atualizada em 10/12/2019 | 08h00

Artista plástica goiana inaugura exposição "Diários de Afeto", em Bento Gonçalves

Mostra de Patrícia Mesquita pode ser conferida na galeria da Fundação Casa das Artes

Artista plástica goiana inaugura exposição "Diários de Afeto", em Bento Gonçalves Fundação Casa das Artes/Divulgação
Foto: Fundação Casa das Artes / Divulgação

Nos últimos dois anos e meio, a artista plástica goiana Patrícia Mesquita, 45, atuou como professora de artes na rede estadual de Bento Gonçalves. Radicada no Rio Grande do Sul há 10 anos, Patrícia considera que a experiência com os estudantes da Serra, em especial adolescentes do ensino médio e adultos do EJA, foi transformadora em diversos sentidos. Tanto no pessoal, a partir do contato com realidades muito diversas, quanto no profissional, reaproximando sua persona artística das estéticas que são algumas de suas maiores inspirações: a arte urbana e o hip hop, tendo o pai do grafite, o estadunidense Jean-Michel Basquiat, como sua principal referência. 

Com mais de 30 anos de carreira e dezenas de exposições realizadas em galerias de diversos estados brasileiros, Patrícia destaca que sua aproximação com as periferias se deu após um período em que morou em Londres. Na Inglaterra, a menina que cresceu estudando piano e fazendo aulas de ballet trabalhou como doméstica e lavou pratos para garantir o próprio sustento. Uma proximidade com a vida real que modificou também o seu fazer artístico. 

O resultado do mergulho de Patrícia no universo das periferias de Bento pode ser conferido a partir desta terça-feira na mostra Diários de Afeto, que reúne 15 quadros e uma escultura. Nas telas pintadas com tinta acrílica, cujo tamanho varia entre 20cm e 30 cm de altura e largura, a artista mistura fragmentos das histórias ouvidas ou vividas ao lado dos alunos com referências do seu próprio universo, que define como multicolorido.

Quadro da mostra Diário de Afetos, da artista plástica Patrícia Mesquita
Foto: Fundação Casa das Artes / Divulgação

– Sou uma pessoa colorida, não consigo ser monocromática. Minha alma é colorida assim como são minhas roupas, meus cabelos, minhas tatuagens... sempre procuro me expressar através das cores não apenas na minha linguagem artística, mas também no meu modo de ser – comenta a goiana, que foi a responsável por levar a Bento o primeiro slam (campeonato de poesia falada, comumente associado à cultura hip hop).

Além dos quadros, onde também se percebe a influência da arte rupestre na produção criativa de Patrícia, a mostra apresenta uma escultura manipulável, que dialoga com o próprio nome da exposição. Trata-se de um livro (ou um diário) feito de pelúcia, que, conforme é manuseado, faz carinho na pessoa que o tem em mãos. 

– Enquanto as obras pintadas não podem ser tocadas, essa escultura, pelo contrário, foi feita para as pessoas tocarem e receberem de volta um pouco de carinho, trocando afeto com o livro. É como um legado do carinho que tenho por esse período que vivi em Bento – conta Patrícia.

Leia também:
Coletivo de Caxias mostra obras inspiradas em pesquisa sobre Xico Stockinger 
Receita: Aprenda a fazer um dos pratos disponíveis no festival Sálvia, em Caxias  
Pedro Guerra: a mensagem do pombo 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros