Adriana Antunes: angústias de fim de ano - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião10/12/2019 | 07h00Atualizada em 10/12/2019 | 07h00

Adriana Antunes: angústias de fim de ano

Nenhuma família é perfeita, porque não somos perfeitos

Todo fim de ano é meio parecido. As pessoas parecem estar mais aceleradas, as lojas cheias, a decoração de Natal cada vez mais decadente e uma velha angústia nos visita. Não sei bem se é por conta de um fim de ciclo, se porque as contas nunca se encerram mesmo ou se é porque vamos estar em família. Sim, família é tudo de bom, tem alguns tios bacanas, que talvez só sejam queridos mesmo porque moram longe e nos vemos apenas de vez em quando, os avós amados, mas que infelizmente já não se consegue conversar muito porque a velhice lhes roubou a audição, a memória e a vivacidade de pensamento, e então, as conversas se tornam truncadas e alguns primos, que resistindo bravamente a passagem do tempo ainda guardam algo de semelhante conosco. De resto, família é angústia, é discussão, sofrimento, intolerância e um bando de gente estranha. 

Leia também
Adriana Antunes: uma arvirona
Adriana Antunes: comida é tudo

Você nunca sentiu que não pertencia a sua família? Que caiu de paraquedas bem no meio de pessoas que são tão diferentes? Me lembro de algumas expressões do tipo, a cegonha errou de família,nasci do ovo errado, ovelha negra e outras que me remetem a um filme italiano delicioso chamado Parente é serpente, do diretor Mario Monicelli. O filme é de 1992, mas atualíssimo. 

Sim, a vida em família pode ser agradável e gratificante. Afinal, somos todos do mesmo sangue e só por isso já é possível vislumbrar uma intimidade. A família nos dá identidade, sentimento de pertença, ensina o amor e a amizade. Provavelmente nasça desses sentimentos as ideias de Deus, pátria e família. Enfim.

O filme de Monicelli é uma comédia negra, demolidora, que trata da velhice, família, solidão, homossexualidade, ressentimentos e segredos, coisas que toda e qualquer família que se preste tem. De repente essas coisas todas vêm para fora e justamente no período do Natal. O filme tem uma mama italiana e espaçosa e um pai esclerosado, porém ambos alegres e divertidos. A bomba estoura quando, durante o almoço natalino, a matriarca avisa aos filhos que como os pais estão velhos e não podem mais viver sozinhos, decidiram ir morar com um dos filhos e cabe a eles escolherem com quem os dois idosos irão viver dali para frente. 

Você já deve imaginar como isso tudo termina, porque é muito parecido com o que ocorre em nossas casas, longe das redes sociais, dentro da verdadeira intimidade. O fim poderia ser outro? Não do filme, mas da nossa relação com a família? Penso que sim, principalmente se partirmos da necessidade de desidealização do que venha a ser viver em família. 

Nenhuma família é perfeita, porque não somos perfeitos. Talvez esteja aí a chave principal para se poder conviver com as festas de fim de ano sem tanta angústia, aceitando que todos somos seres humanos, imperfeitos. E que se os parentes são serpentes nós haveríamos de ser o quê?

Leia também
Escola de Dança Bruna Maccari promove encontro artístico na Festa da Uva
Coletivo de Caxias mostra obras inspiradas em pesquisa sobre Xico Stockinger 
Grupo de Bento escreveu livro durante uma noite de confinamento 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros