Tríssia Ordovás Sartori: outros olhares - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião01/11/2019 | 16h59Atualizada em 01/11/2019 | 16h59

Tríssia Ordovás Sartori: outros olhares

É fundamental abrir a mente e se dar conta que as nossas percepções não são verdades absolutas 

Tríssia Ordovás Sartori: outros olhares Fábio Panone Lopes / Divulgação/Divulgação
Foto: Fábio Panone Lopes / Divulgação / Divulgação
Tríssia Ordovás Sartori
Tríssia Ordovás Sartori

trissia.ordovas@pioneiro.com

Conversava com uma senhorinha japonesa de 84 anos em um elegante café em Ginza, Tóquio, até chegar ao ponto dela ficar muito curiosa sobre o porquê de eu ter saído de tão longe para visitar o país em que ela residia. Expliquei meu interesse cultural e meus motivos e ela ouviu com atenção. Perguntei, então, como era viver lá e a senhora respondeu de forma singela, mas implacável:

– Acho muito bom, estou muito satisfeita, mas nunca vivi no Exterior para saber se aqui é melhor.

Eis a grande contribuição de uma viagem – que também ficou expressa na fala da senhora: é fundamental abrir a mente e se dar conta que as nossas percepções são apenas as nossas percepções, concebidas a partir de parâmetros culturais muito bem estabelecidos e relativamente limitados. Não são verdades absolutas. Não são a maneira certa de viver. São só uma em tantas possibilidades. E é difícil ver e até aceitar isso.

Leia mais
Tríssia Ordovás Sartori: Lição por trás de desenhos
Tríssia Ordovás Sartori: quanto maior a expectativa, maior a frustração?

Viajar também tem muito desse desafio. É preciso fazer um baita exercício de humildade para conseguir minimamente compreender o outro e para ser compreendido (aqui, nem trato do sentido filosófico), para entender nossos limites de comunicação e tentar não julgar a forma como as pessoas agem quando estão nas suas casas. Entender a forma como uma sociedade é estabelecida é rico e desafiador.

Para quem vive com regras brandas, é curioso demais ver ordem até nas calçadas, com o lado certo para quem vem e para quem vai. Foi interessante descobrir que a cultura japonesa prega que eles não devem levar os problemas do trabalho para casa, então fazem uma pausa no bar antes do retorno ao lar. Ou ver a falta de afetividade em público, apesar da doçura para lidar com os estranhos.

E há algo ainda mais profundo: os japoneses têm uma palavra própria no idioma deles, gaman, que expressa toda uma filosofia de vida e é ensinada inclusive em sala de aula. Gaman prega suportar o insuportável com paciência e dignidade. É considerado um sinal de maturidade e força e pressupõe manter questões pessoais, problemas e reclamações em silêncio – afinal, nunca dá para saber qual é, de fato, o tamanho do nosso problema se comparado com os dos outros. Em resumo, é uma espécie de conformismo forçado, que a mim provocou estranhamento.

Mas não é justamente esse o propósito? Ao sairmos de casa, seja para estudar em outra cidade, casar, morar sozinho, precisamos nos deparar conosco, com nossas capacidades e dificuldades. Aprender a lidar com limitações, comemorar cada pequena conquista. E olhar para o outro com mais cuidado e respeito. Cada qual está passando por alegrias e provações diárias, aqui ou acolá: o colega que senta ao lado, o vizinho, o parceiro de academia, o amigo da vida toda. O problema é que costumamos neutralizar o olhar sobre eles – e  também sobre nós mesmos – o que dificulta para que possamos nos conectar com os outros e nos transformarmos, humildemente, para melhor.

Leia também
Maestro e saxofonista Spok traz o frevo pernambucano a Caxias do Sul neste fim de semana
Espetáculo do Grupo Ueba homenageia poeta gaúcha que morreu em Criúva há 100 anos
VÍDEO: conheça mais um single que integrará a coletânea Sons que Vêm da Serra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros