Pedro Guerra: por que as coisas boas acontecem - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião22/11/2019 | 19h53Atualizada em 22/11/2019 | 19h53

Pedro Guerra: por que as coisas boas acontecem

Quase tudo que a gente conquista pra valer não vem da maneira mais fácil

Pedro Guerra: por que as coisas boas acontecem Antonio Giacomin / Divulgação/Divulgação
Foto: Antonio Giacomin / Divulgação / Divulgação

Já faz alguns dias que eu conversei com uma amiga sobre como é difícil aceitarmos certas coisas boas que acontecem com a gente. Talvez nem todos concordem (ainda bem), mas tem vezes que eu levo algum tempo para aceitar que a vida também vai nos entregar momentos maravilhosos e que recusar a aceitá-los é perda de tempo.

Leia mais
Pedro Guerra: a decisão mais difícil que já tomei
Pedro Guerra: a graça da coisa

Sabe aquelas notícias que ninguém estava esperando e que chegam na hora mais difícil? Ou a conquista de um sonho antigo, um romance que aparece com vontade de vingar, e até mesmo aquele atendimento excepcional da atendente do telemarketing? Pois é, nem sempre estamos acostumados com algumas coisas básicas – e eu uso essa palavra porque acho que as coisas boas não deveriam ser regalia, ou ainda uma espécie de ticket dourado super-raro.

Contudo, crescemos imersos na cultura do inalcançável – o que eu quero está longe demais, o que eu tenho já não dou tanta importância. Somos doutrinados a buscar a perfeição, e eu sinceramente acredito que ela não exista. Ao mesmo tempo, que bom que a palavra em si existe, pois assim nos motivamos a melhorar sempre. Acontece que esse caminho não precisa ser de barro e poças de água das consecutivas tempestades – nem sempre. O bem também vai nos encontrar por aí, e precisamos estar preparados para recebê-lo.

Não sei se a culpa é do meu pensamento catastrófico por sempre esperar o pior ou se sou eu mesmo quem se acostumou a pensar que nem sempre viveremos tudo aquilo que desejarmos e da forma que desejarmos, visto que a vida está repleta de obstáculos necessários. Acontece que o problema talvez seja este mesmo: a culpabilidade que colocamos nos nossos próprios ombros, como se tivéssemos que sofrer para aprender, chorar para merecer ou lutar para seguir em frente.

Sim, vai ser difícil. Quase tudo que a gente conquista pra valer não vem da maneira mais fácil. Mas sim, as coisas boas também acontecem. E sabe o por quê? Porque merecemos.

Leia também
Bordando histórias: projeto de preservação de memória em Antônio Prado conquista prêmio nacional
Conheça Nicole Heinen, jovem que revisita baú de memórias para criar como artista
Com expectativa de receber 200 mil visitantes, Nova Petrópolis dá início à programação de Natal

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros