O que rolou na segunda noite do Mississippi Delta Blues Festival - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Música23/11/2019 | 02h53Atualizada em 24/11/2019 | 20h37

O que rolou na segunda noite do Mississippi Delta Blues Festival

Nem mesmo a chuva, que caiu no início da madrugada de sexta (22) para sábado (23), atrapalhou quem foi curtir o evento

O que rolou na segunda noite do Mississippi Delta Blues Festival Porthus Junior/Agencia RBS
Slam Allen: a principal atração da segunda noite do festival Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A segunda noite do Mississippi Delta Blues Festival (MDBF) recebeu a chuva como bálsamo e não com dispersão. Porque foi em meio à chuva fina no início da madrugada de sexta (22) para sábado (23), em Caxias, que o guitarrista Slam Allen subiu ao Nola Stage, o palco principal do  MDBF.

Leia ainda:
Aquecimento da segunda noite do Festival de Blues, em Caxias
FOTOS: confira imagens do primeiro dia do MDBF 2019
"MDBF in Concert" e talentos locais marcam a primeira noite do 12º MDBF, em Caxias do Sul

Quem não fazia ideia do que esperar do músico norte-americano ficou de queixo caído quando ele conduziu a banda e o público aos contrastes da dinâmica, da potência em alto som ao quase silêncio. Mas foi entoar os primeiros versos da canção para que as pessoas ficassem em dúvida: "Qual é o maior trunfo do cara? Cantar os tocar guitarra?".

Para muito além desse talento, Allen prova sua maestria ao cantar quase à capela, sem microfone, tocar em meio ao povo, e orquestrar plateia e banda. Eis que a harmonicista caxiense Débora de Oliveira sobe ao palco, a convite de Allen. Gentil e humilde, Allen a convida para que ela pudesse brilhar. O famoso duelo entre Allen e Débora, mais do que uma competição, se transformou em uma "escada" do guitarrista para que Débora pudesse desfilar soberana.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 23/11/2019. SEGUNDO DIA - 12º Mississipi Delta Bluers Festival RS - MDBF Mardi Gras Edition. Slam Allen no Nola Stage (Porthus Junior/Agência RBS)
Allen: carisma e virtuosismoFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Com a plateia no bolso, Allen tratou então de puxar os acordes de (I Can't Get No) Satisfaction, do Rolling Stones. Allen nem precisou cantar os primeiros versos porque o público puxou o coreto. Ah, e por falar em coreto, e sobretudo o cortejo carnavalesco, a dispersão da Parada de Carnaval foi justamente em frente a área em que Allen tocava. Costuras e amarras que deram ainda mais movimento ao MDBF.

Durante a Satisfaction, Allen resolveu mostrar seu virtuosismo, seja em fraseados rápidos e límpidos, seja em sequências de arpejos, ou abusando do feeling em um solo harmônico, doce e singelo. Outro ponto alto do show foi a Hey Joe, de Jimi Hendrix. E tudo isso foi debaixo de chuva, que começou tímida e despencou para desespero de quem foi de salto alto conferir o festival de blues.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 22/11/2019. SEGUNDO DIA - 12º Mississipi Delta Bluers Festival RS - MDBF Mardi Gras or de Lis Stage. (Porthus Junior/Agência RBS)
Zia Leme:: uma das atrações do espaço dedicado especialmente às mulheresFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

ATRAÇÕES PARALELAS
Circular pelos diferentes espaços do festival tem suas gratas surpresas. No Mississippi Dela Blues Bar, por exemplo, por volta das 22h30min, de sexta-feira (22), rolava o show da Mandrak Funk Show, que eles mesmo se definem como aqueles que "flutuam entre o funk e o blues". 

No mesmo horário, no Nola Stage, quem desfilava seu blues em uma pegada que flerta com o rock era Big Dez, que tocou acompanhado de Alamo Leal.

Cerca de uma hora mais tarde, no Flor de Lis Stage, Zia Leme cantava na companhia do harmonicista Toyo Bagoso, o idealizador do MDBF.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 22/11/2019. SEGUNDO DIA - 12º Mississipi Delta Bluers Festival RS - MDBF Mardi Gras Edition. Ale Ravanello Blues Combo no Creole Moon Stage. (Porthus Junior/Agência RBS)
Ale Ravanello: show no espaço intimista e descontraído da Casinha do BluesFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Há 50 metros dali, no Creole Moon Stage, mais conhecido como Casinha do Blues, Ale Ravanello Blues Combo encerrava mais uma das canções do repertório, quando foi possível ouvir um dos potentes agudos entoados por Zia Leme, que estava em outro palco, no Flor de Lis Stage.

Pouco antes de Allen subir ao palco principal, no Folk Stage, o músico mais requisitado pelo público feminino em selfies, o britânico Albert Jones, incendiava a plateia em um show vibrante e envolvente. É sacanagem dizer que havia um grande interesse ao seu entorno porque o cara é um rosto bonito. O cara manda muito bem mesmo.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 22/11/2019. SEGUNDO DIA - 12º Mississipi Delta Bluers Festival RS - MDBF Mardi Gras Edition. Albert Jones no Folk Stage (Porthus Junior/Agência RBS)
Albert Jones: show com pegada e intensidade.Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

E quem pensa que o festival termina quando a atração principal encerra seu espetáculo está enganado. O bailão blueseiro, tradicionalmente, conduz às pessoas para o Mississippi Delta Blues Bar. E o resto é história. Aliás, mais um capítulo da história que completa 12 edições em 2019. E neste sábado, dia 23 tem mais.

Leia também:
Gilmar Marcílio: maratona
"A arte é resistência porque ilumina as sombras", diz Cidadão Caxiense
Conheça Nicole Heinen, jovem que revisita baú de memórias para criar como artista
Bordando histórias: projeto de preservação de memória em Antônio Prado conquista prêmio nacional

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros