Nivaldo Pereira: o mistério do sexo - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião15/11/2019 | 10h36Atualizada em 15/11/2019 | 11h28

Nivaldo Pereira: o mistério do sexo

O auge das trocas corporais é marcado por uma descarga de energia intensa, seguida de uma sensação de prazer e relaxamento

Nivaldo Pereira: o mistério do sexo Luan Zuchi/
Foto: Luan Zuchi
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

Seu moço do disco voador, chegue mais perto. Quero olhar melhor seu corpo de luz e plasma e compará-lo com o meu. Nós, terráqueos, somos feitos de ossos, carne e pele. Diferentes do senhor, somos pesados, e a gravidade do planeta nos prende ao chão. Somos presos também a certos princípios vitais gerados pela relação do nosso planeta com a estrela ao redor da qual giramos.

O senhor pergunta como nos reproduzimos. Bem, essa ação cabe ao princípio cósmico que chamamos de Escorpião, na forma de um instinto que chamamos de sexual. Era para ser uma coisa banal, no ciclo da vida, mas não imagina o senhor como esse assunto dá o que falar, aqui nesse planetinha azul! Tentarei simplificar, para que o senhor entenda, ressaltando que até hoje vivemos discutindo o assunto ou fugindo dele.

Leia mais
Nivaldo Pereira: os monstros do pântano
Nivaldo Pereira: brilhando no escuro

O signo de Escorpião governa um potente impulso de fusão. Como o senhor já percebeu, nossa espécie é sociável. Tudo nos impele a encontros com os outros. Mas, com alguns em especial, e em certas ocasiões, sentimos um forte desejo de união em níveis muito profundos, tão carnais quanto emocionais. Quando esse desejo brota, é visceral: queremos sentir intensamente o outro. Mais que sentir, queremos ser o outro, devorar o outro ou ser devorados, para podermos virar um só ser.

O auge das trocas corporais é marcado por uma descarga de energia intensa, seguida de uma sensação de prazer e relaxamento. A descarga é brevíssima, mas nela somos conduzidos a um estado mágico e superior, onde perdemos a consciência do ser, nos fundimos a algo maior. Morremos por alguns segundos no que chamamos de orgasmo, o gozo do ato sexual. Por isso, dizemos, em nossa visão cosmológica, que Escorpião trata de sexo e morte, em seu processo de contínua fusão e transmutação das energias. É uma potente experiência de transformação.

No instante do orgasmo, há também uma liberação de fluidos corporais. Quando a troca sensorial envolve a conexão mais íntima entre órgãos de corpos masculinos e femininos, os fluidos podem se fundir e gerar o ovo primordial de um novo humano, dentro do corpo feminino. Assim nos reproduzimos. Nove meses depois, um novo ser estará pronto para deixar o corpo da fêmea.

No entanto, a troca sexual não atende somente a essa função procriadora. Seu mistério, em princípio, envolve a atração entre corpos, diferentes ou iguais, e o gozo pode ser obtido mesmo na estimulação solitária. Humanos são naturalmente fascinados pela explosão do orgasmo, por essa “pequena morte”, venha ela como vier.

Sim, era para ser uma coisa banal. Sexo é imperativo da vida na Terra, é necessidade fisiológica, além de gerar prazer e saciedade. Então, por que tanta confusão e complicação em torno do sexo? Vou tentar responder, seu moço, mesmo sem certeza.

Na roda dos ciclos cósmicos, após Escorpião, a etapa de Sagitário vai se encarregar de atribuir significados às vivências humanas. Aí perguntaremos: por quê? Para quê? E vamos definir regras e leis que organizem a sociedade. Aí inventaremos religiões que expliquem a vida,

apontem para a dimensão espiritual e regulem os atos humanos. E o sexo da etapa de Escorpião será regulamentado em permissões e pecados.

No lado bom disso, convém ter critérios que orientem a expressão do instinto. Não podemos fazer do nosso desejo um direito absoluto, sem respeitar os outros, suas vontades e limites. Precisamos de uma ética sexual, para não sucumbir a perigosas pulsões inconscientes. No lado ruim da regulação, crenças e leis arbitrárias vão determinar o normal dos comportamentos humanos, gerando repressão da energia sexual. E virão daí culpa, frustração, ressentimento, histeria e outros males.

Mas esse é só um aspecto da questão sexual. Seu moço do disco voador, não queira saber o inferno que é a vida na Terra por não sabermos lidar saudavelmente com o sexo! Aliás, até falar nisso é tabu. Também por causa disso, Escorpião é um signo estigmatizado. Agora me conte o senhor, corpos de luz e plasma sentem desejo?

Leia também
Confira quem são os vencedores do Jornalista Por Um Dia 2019
Com 26 atrações, 10º Medi in Rock se inicia nesta sexta-feira, em Veranópolis
Caco Barcellos palestra em Caxias no dia 21 de novembro

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros