FOTOS: negros e negras orgulhosos da sua ancestralidade retratados em um ensaio - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

20 de Novembro20/11/2019 | 08h00Atualizada em 20/11/2019 | 08h00

FOTOS: negros e negras orgulhosos da sua ancestralidade retratados em um ensaio

No dia da Consciência Negra, uma reflexão em palavras e imagens sobre o preconceito que ainda persiste

FOTOS: negros e negras orgulhosos da sua ancestralidade retratados em um ensaio Antonio Valiente/Agencia RBS
Recepcionista Pâmela Machado Boeira e o cantor e vendedor Igor Rosa Soares. Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Vinte de Novembro é dia da Consciência Negra. Os negros, orgulhosos de quem são, e em paz com sua identidade e ancestralidade, tornam-se modelos para além da moda, porque são modelos para a vida. 

Leia ainda:
FOTOS: para marcar o Dia da Consciência Negra, confira um editorial que evidencia beleza e história

A seguir, fotos e depoimentos de negros e negras que moram em Caxias e que foram clicados em um ensaio especial, produzido pelo Estúdio JH. Os retratos são do fotógrafo do Pioneiro, Antonio Valiente.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (10/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Andriele Pinheiro da SilvaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

 “O dia 20 de novembro é a celebração do dia da morte do guerreiro Zumbi dos Palmares que lutou pela liberdade dos negros, um marco na nossa história. No entanto, o racismo ainda é presente em nossa sociedade. Seja ele disfarçado em forma de um elogio ou até um agrado forçado. Pode ser ainda social, porque o negro pobre é deixado de lado em diversas situações”, argumenta Andriele Pinheiro da Silva, estudante de Direito, 21 anos. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (10/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Ângela MartinsFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Eu, particularmente, sou um prato cheio para os preconceituosos. Além de mulher negra, sou gorda, portadora de deficiência, feminista, de esquerda, lésbica e da umbanda. É forte o babado pro meu lado. O racismo é latente na sociedade caxiense e acredito que está longe de ser superado. O combate precisa ser de responsabilidade de todos, não só dos negros. Porque não precisa ser negro para lutar contra o racismo, apenas ser humano", defende Ângela Martins, 60, membro da Marcha Mundial das Mulheres e do Movimento Negro Raízes, de Bento Gonçalves. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (11/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
João Batista Netto BoeiraFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

 "A minha família foi quem quebrou o preconceito em Palmares do Sul. Lá havia o Clube Primeiro de Maio, que era dos brancos. E o outro, era o Serapião, que fazia baile só para os negros. Só que eu estudava numa boa escola e tinha muitos amigos brancos. Tanto que na minha formatura de segundo grau, fizeram a festa no clube dos brancos, porque esquecerem de que tinha um negro. Aí não me deixaram entrar. A polêmica toda foi que a minha turma toda saiu do baile por causa disso. Na semana seguinte, foram levar uma carta para o meu pai, pedindo desculpas e oferecendo um título de sócio no clube dos brancos. Foi legal porque meus amigos se posicionaram", recorda João Batista Netto Boeira, 57, músico e professor de musicalização em escolas de educação infantil. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (11/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Rodrigo MoraesFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Eu já fui muito de brigar, mas hoje prefiro a militância com amor, empatia e respeito. Tem a ver com o conceito filosófico Ubuntu, que diz: 'sou o que sou, porque somos juntos'. Essa tem de ser a ideia principal, se não for assim, vamos estar apenas batendo-cabeça. Meu discurso hoje é pelo afeto. Estamos em um momento tão ruim, que eu acredito que a empatia é a chave pra tudo", acredita Rodrigo Moraes, 25, jornalista. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (11/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Carla VanezFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Não é só o negro que precisa de consciência da sua identidade. Como diz uma amiga: "Chegou a hora de os brancos terem a consciência negra, porque nós estamos cansados", defende Carla Vanez, 39, bailarina e atriz, diretora artística do Bloco da Ovelha e coordenadora de dança do Maracatu Baque dos Bugres. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (10/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Carla PadilhaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Aqui em Caxias é tudo uma questão de sobrenome. As pessoas ainda me perguntam: 'Tu é de que família?'. Caxias é uma cidade extremamente preconceituosa, mais do que Canoas, de onde viemos", observa a professora pós-graduada Carla Padilha, 41. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (10/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Carla Padilha, ao lado do marido, o metalúrgico Aldair Padilha, 45, e o filho deles Arthur Padilha, 10.Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS
 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (12/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Alcidney Josende da RosaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Eu fundei uma escola de samba, Embaixadores do Ritmo, e fui 10 anos campeão, lá em Rosário do Sul. Os ensaios eram lá em casa. Mas o Carnaval de Santa Maria era muito melhor. Só uma vez que eu senti preconceito, de um chefe, no trabalho, mas depois ele foi transferido e ninguém foi no churrasco dele", recorda Alcidney Josende da Rosa, 81, marido de Therezinha (foto abaixo). 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (12/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Therezinha Xavier JosendeFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

"Eu não tenho queixa do meu casamento, nos divertimos muito! É uma maravilha de vida!", conta Therezinha Xavier Josende, 81, sobre os 59 anos de casada, com Alcidney (foto acima). 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (12/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Kátia, filha de Therezinha e Alcidney.Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS
 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (12/11/2019)Ensaio sobre o mês da Consciência Negra (fotos para pauta do Almanaque. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Gláucia, filha de Therezinha e Alcidney.Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Leia também
Sérgio Lopes mostra nova coleção no antiquário Art Rarus
Livro resgata história e projeto de ocupação da Maesa, em Caxias do Sul
Regente do Coro Municipal, Renato Filippini é exonerado do cargo em Caxias
Tríssia Ordovás Sartori: Além do casulo

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros