Filmes realizados por estudantes de escola em São Marcos abordam universo de gente grande - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Cinema03/11/2019 | 16h49Atualizada em 03/11/2019 | 16h49

Filmes realizados por estudantes de escola em São Marcos abordam universo de gente grande

Colégio Mutirão de São Marcos exibe e premia produções dos alunos

Filmes realizados por estudantes de escola em São Marcos abordam universo de gente grande Rogerio Formighieri/Divulgação
Alunos e professores do Colégio Mutirão na noite de exibição e premiação dos filmes, em sessão aberta à comunidade. Foto: Rogerio Formighieri / Divulgação

Adultos tendem a menosprezar a obra dos jovens. Porque dizem, essa gente grande, que os adolescentes precisam de vivências, precisam apanhar dessa vida, para aí sim, serem ouvidos em mesmo pé de igualdade. Não por acaso, há quem deflagre por aí uma das famosas frases proferidas por Nelson Rodrigues (dramaturgo e padrinho dos reacionários de plantão): "Jovens, envelheçam!". 

Felizmente, há escolas interessadas não apenas em dar voz, mas também espaço e visibilidade aos seus alunos. Por isso, é digno de celebração a realização da Semana Cultural do Colégio Mutirão, de São Marcos, que promoveu o Café Literário, a Trança Cultural e o Festival Pantini de Cinema, como uma forma de diálogo entre a educação, a literatura e as diferentes linguagens artísticas, como o cinema.

Na noite de sexta-feira, dia 1º de novembro, foram exibidas as cinco produções, realizadas pelos alunos do ensino médio, no Clube Grêmio Americano, em São Marcos. Todos os filmes foram produzidos pelos alunos que escreveram os roteiros, atuaram e finalizaram cada um dos trabalhos. 

A turma 101 dividiu-se em dois vídeos: Epifania (baseado na obra Cinco minutos, de José de Alencar) e Melancolia (baseado na obra O Senhor das Moscas, de Willian Golding). 

Já a turma 201, realizou o ousado e inventivo, Escasso (baseado na obra Capitães da Areia, de Jorge Amado). 

Por fim, a turma 301, dividiu-se em dois trabalhos baseados na obra Laços de Família, de Clarice Lispector, Nós, e o grande vencedor da noite, que levou os prêmios mais importantes, Ohana, um documentário sobre adoção.

O festival chama-se Pantini porque é uma homenagem ao legado de quem contribuiu para a história do cinema em São Marcos. De acordo com o livro  Cinema: lembranças, as famílias Torresini e Pante foram as proprietárias do Cine Teatro Ypiranga, entre 1948 e 1984. Pantini trata-se então da junção do sobrenome destas duas famílias.

Confira a seguir, os vencedores em cada uma das categorias:

3º Festival Pantini de Cinema, realizado pelo Colégio Mutirão de São Marcos. Na foto, os vencedores do festival.
Alunos do ensino médio do Colégio Mutirão, de São Marcos, premiados por seus filmes.Foto: Rogerio Formighieri / Divulgação

Melhor Trailer: Melancolia, da turma 101

Melhor Trilha: Escasso, da turma 201

Melhor Edição: Ohana, da turma 301

Melhor Direção de Arte: Epifania, da turma 101

Melhor Fotografia: por Melancolia, da turma 101

Melhor Produção: Nós, da turma 301

Melhor Roteiro: Escasso, da turma 201

Melhor Ator: Murillo dos Reis Guerra, por Escasso, da turma 201

Melhor Atriz: Ana Clara Polidoro Ampessan, por Epifania, da turma 101

Melhor Diretor: Ohana, da turma 301

Melhor Filme: Ohana

Leia também:
O pampa no caminho da história da prata
Nivaldo Pereira: brilhando no escuro
Espetáculo do Grupo Ueba homenageia poeta gaúcha que morreu em Criúva há 100 anos
Finalista do Slam BR, Jamille Santos é convidada do Órbita Literária da próxima segunda 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros