Conheça a trajetória da amazona Anete Titton De Carli que, em breve, comandará hípica própria em Caxias - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Sociedade15/11/2019 | 15h44Atualizada em 15/11/2019 | 15h44

Conheça a trajetória da amazona Anete Titton De Carli que, em breve, comandará hípica própria em Caxias

Amante do hipismo desde a infância, Anete coleciona conquistas no esporte

Conheça a trajetória da amazona Anete Titton De Carli que, em breve, comandará hípica própria em Caxias Rafael Sartor / Divulgação/Divulgação
Foto: Rafael Sartor / Divulgação / Divulgação

Menina esperta, Anete Titton De Carli começou a frequentar as aulas de hipismo em Porto Alegre quando tinha 10 anos. E bastou pouco tempo de prática para que Anete começasse a colher os primeiros frutos no esporte. Aos 13 anos, a filha de João Oly Titton e Maria Brugger Titton conquistou o título de Campeã Gaúcha Mirim e, aos 15, se tornou Campeã Brasileira Junior. Foram muitos feitos, incluindo a participação numa das Eliminatórias do Mundial de Hipismo, em 1980, três anos consecutivos prêmio de Melhor atleta da Zero Hora, e três vezes vice-campeã brasileira em Campinas, categoria Júnior, além de campeã por equipe. Entre tantos destaques, uma paixão que se reafirma dia a dia e que passou também para o pai e os três irmãos.

— Se não há amor pelo cavalo, companheirismo, não há resultado no hipismo — diz ela que, agora, aos 60 anos, contribui na formação de novos amantes do hipismo junto ao Departamento Hípico do Jockey Clube de Caxias, que ajudou a criar em 1986, e por onde já passaram mais de mil alunos — atualmente, são 35.

— O convívio diário com estas criaturas, o envolvimento educacional e emocional, o aprendizado da disciplina, o respeito... Eles cavalgam na chuva, no barro e ficam longe de certas bobagens. Isso tudo me realiza — descreve entre seus alunos, enquanto acaricia a égua Alfa Scarlet, que monta há quatro anos. 

Leia mais
Conheça Arthur De Antoni Perini, o jovem chef que comanda o Q Restaurante ao lado do pai, em Caxias
Conheça a designer de moda, pintora, desenhista e inquieta caxiense Julia Webber
Conheça parte do acervo artístico que Walter Rodrigues mantém em seu apartamento em Caxias

Foto: Rafael Sartor / Divulgação

Formada em Educação Física pelo IPA, mesmo com a atual fiel companheira, ela também cita o cavalo Holimar, que é memorável em sua trajetória de centenas de prêmios, e outros animais que já montou, parte deles guardados na casa dos pais, em Porto Alegre, e muitos outros no Jockey.

Quando não está dando aulas, Anette está na chácara da família, em Ana Rech, onde, em breve, inaugura sua própria hípica. Um lugar especial, afinal está imersa em meio à natureza, entre bichos, plantas e flores. E ela gosta de lugares onde a natureza seja protagonista. Por isso, fala com brilho no olho das viagens para Machu Picchu, Deserto do Atacama, Monte Perito Moreno, na Argentina, e à África do Sul. Viajar é um dos seus grandes prazeres, aliás. A próxima, talvez, seja à Sicília. Mas, além de estar no mundo, adora estar em casa.

— Sou festeira, sou da função de reunir a família, que vibra quando vai chegando mais gente. Família é força, é vida — diz ela, que trocou a capital por Caxias em 1985. 

É casada com Guilherme De Carli, que cuida dos churrascos familiares, mãe de Paula Titton De Carli e Victória Titton De Carli, que foi princesa da Festa da Uva em 2004, e avó de Otávio, Carmela e Marta. Esse pique e a alegria estampada entre cada fala, cada lembrança de competições e outras emoções são aprendizado de quem zela pela disciplina do esporte que escolheu para a vida.

— Um cavalo te ensina a ter paciência, a ser tranquilo e fazer as coisas um dia depois do outro. Em uma competição, só um ganha. Então, a gente também aprende a perder na vida. O cavalo te ensina a cair e levantar — reflete, lembrando que o hipismo é um espaço de igualdade: — Nas competições e olimpíadas homens e mulheres competem juntos. Montar um cavalo não depende de força, mas de jeito. Não há vantagem de um sexo sobre o outro.

Outra coisa que gosta de falar, entre a filosofia e o "joie de vivre", tem a ver com a ideia de saber rever as trajetórias e se reinventar. A reflexão sintetiza o cotidiano de quem cavalga equilibrando-se entre gratidão e felicidade, sempre em busca de novos sonhos: 

— A vida me ensinou ter que olhar para frente e seguir.

Leia também
FOTOS: para marcar o Dia da Consciência Negra, confira um editorial que evidencia beleza e história
Casa & Cia: modernismo brasileiro inspira a reforma de living amplo e requintado, que esbanja arte
Casa & Cia: marca gaúcha lança sofás que permitem carregar aparelhos eletrônicos por indução 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros