Bandinha Di Dá Dó e Dandara são as atrações no Sesc Caxias para o Dia da Consciência Negra  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

20 de Novembro19/11/2019 | 17h25Atualizada em 19/11/2019 | 17h25

 Bandinha Di Dá Dó e Dandara são as atrações no Sesc Caxias para o Dia da Consciência Negra 

Ingressos à venda a partir de R$ 15, para o show desta quarta-feira, dia 20

 Bandinha Di Dá Dó e Dandara são as atrações no Sesc Caxias para o Dia da Consciência Negra  Divulgação/Morrostock
"Minha violência é voz / E se for preciso / Eu aprendo a ser feroz", canta Dandara Manoela, uma das atrações dos shows no Teatro do Sesc. Foto: Divulgação / Morrostock

Dandara Manoela e Bandinha Di Dá Dó são as atrações desta quarta-feira, dia 20 de novembro, às 20h, no Teatro do Sesc, em Caxias do Sul, no Dia da Consciência Negra. 

A performática  Bandinha Di Dá Dó, de Porto Alegre, é formada  pelos  palhaços Cotoco, Teimoso Teimosia, Invisível e Zé Docinho, ou seja, pelos músicos Mauro Bruzza (acordeom e vocal), Thiago Ritter (baixo), Gabriel Grillo (guitarra) e Paulo Zé Barcellos (bateria), e apresentam repertório de composições próprias, tanto instrumentais como cantadas, inspiradas na música cigana, na world music e no rock’n’roll.

Já Dandara, empunha o microfone como quem sentencia uma nova era. Mais do que a flor que desabrocha em esperança, é na virulência do discurso que ela empodera a sua geração. Com doçura e força, Dandara canta, em Retrato Falado:

Dona Preta, minha avó, resolvi contar
Tuas histórias, tuas memórias, teu penar

Antes de entoar o lamento em melodia envolvente, nem por isso menos real, Dandara explica que canção é essa capaz de arrepiar até aos mais insensíveis: “Essa música é um pouco da história da minha bisavó, um pouco da história da minha vó, um pouco da história da minha mãe, um pouco da minha história, e infelizmente história de tantas e tantas e tantas mulheres”. Retrato Falado dá nome ao primeiro álbum, gravado através de financiamento coletivo em Florianópolis, e lançado em 2018.

Entre as canções do CD, Mulher de Luta, inspirada na poesia de Ingrid Maria, é um clamor com as cores e os amores de uma revolução que integra, que congrega, que abraça, que acolhe: 

Ah se todas essas Marias se ajuntar
Sapatão, trans, viadas
Pretas, brancas, amarelas
Pedras e sonhos nas mãos
Punhos erguidos
Seremos todas, todas
Marias da revolução!

Sobre o palco, de pés descalços, Dandara evoca versos de um doce e rebelde viver. Rebelde de um sistema que aprisiona gerações de negros e negras, mesmo depois da tal abolição. Canta e compõe como quem faz uma prece:

Minha violência é voz
E se for preciso
Eu aprendo a ser feroz

E se nada disso bastar, a voz que atravessa paredes de preconceito e pretende alcançar corações sensíveis a um novo mundo, Dandara transbordará:

Quero ver quem sou
Ver se caibo em mim
Se não couber vou transbordar

Aos que torcem o nariz para esse espaço de fala dos negros e negras, que lutam por igualdade, que lutam contra a violência do preconceito, é interessante pensar como seria o Brasil numa terra em que Zumbi tivesse sido rei. Mesmo afligido, perseguido e morto, Zumbi continuará a ser o herói que os negros e negras celebram, e o bandido que os preconceituosos insistem em matar. Saravá, Dandara e tantas Marias, mulheres de luta. 

Agende-se
O quê:
Shows com a Bandinha Di Dá Dó e Dandara Manoela.
Quando: quarta-feira dia 20 de novembro, às 20h.
Onde: Teatro do Sesc (Rua Moreira César, 2.462- Caxias).
Quanto: Ingressos a R$ 30, à venda no Sesc. Comerciários, empresários, classe artística, pessoas acima de 60 anos e estudantes a R$ 15.

Leia também:
FOTOS: para marcar o Dia da Consciência Negra, confira um editorial que evidencia beleza e história
Regente do Coro Municipal, Renato Filippini é exonerado do cargo em Caxias
Livro resgata história e projeto de ocupação da Maesa, em Caxias do Sul
Vocalista que fez história no metal da Serra, Leandro Moreira participou do Medi in Rock

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros