"Por que não se aprende na escola a falar em público?", questiona pesquisadora - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Comunicação11/09/2019 | 15h19Atualizada em 11/09/2019 | 15h29

"Por que não se aprende na escola a falar em público?", questiona pesquisadora

Ana Claudia Guilherme Corso lança nesta quinta-feira, dia 12, o livro "X em Evidência", na Livraria Sempre Ler

"Por que não se aprende na escola a falar em público?", questiona pesquisadora Júlio Soares/Divulgação
"As pessoas que falam bem têm mais capacidade de influenciar os outros, é um poder que diferencia umas das outras", defende Ana Claudia, que lança livro nesta quinta-feira, dia 12, na Livraria Sempre Ler. Foto: Júlio Soares / Divulgação

Sabe aquela dificuldade de falar em público? A boca fica trêmula, as mãos ficam úmidas, e parece que nada do que se fala faz sentido? Pois então, desse mal sofrem crianças, adolescentes, adultos, idosos. Não importa a idade ou o cargo que a pessoa ocupa. O pavor é o mesmo e o resultado tende do constrangimento ao descrédito. Mas então, por que afinal de contas não se ensinam crianças e adolescentes desde a escola a encarar esse desafio com mais segurança? 

Para responder a essas perguntas a fonoaudióloga Ana Claudia Guilherme Corso lança hoje, às 18h, o livro X em Evidência, Atitudes Positivas na Comunicação em Público de Adolescentes e Jovens, na Livraria Sempre Ler, em Caxias.

– Eu tive muitas dificuldades de falar em público e isso teve um impacto negativo na minha vida. Eu não tinha dificuldades em fazer amizades, mas a situação de apresentar um trabalho diante da turma, ou estar em palco, me paralisava. Então, quando tinham trabalhos em grupo, eu entregava a tarefa de apresentar para outra pessoa. Essa mesma postura eu levei para a universidade. E com isso, deixei de crescer, de ter oportunidades profissionais para me desenvolver – explica Ana.

A melhor perspectiva, entende, é desenvolver não apenas a retórica, a arte de falar bem, mas também exercitar o processo de apreensão dos conteúdos, raciocínio lógico e pensamento abstrato.

– A realidade é que passamos pela escola, pela universidade e vamos trabalhar. No ambiente profissional, lidamos com situações de exposição nas quais nem sempre estamos preparados para falar. É aí que vamos fazer curso de oratória ou ler livros com técnicas de como falar em público – defende.

No entanto, não é porque alguém faz um curso que está tudo resolvido, porque, no entendimento de Ana, “para se ter habilidade de falar em púbico demanda tempo e repetição”.

– Na escola, a gente tem um compromisso com o aprendizado, mais do que com o acerto. Mas no mercado de trabalho nosso grande compromisso é com o acerto. A escola poderia retomar esse ensino, como era feito lá na Grécia antiga, com aulas de comunicação, de oratória. As pessoas que falam bem têm mais capacidade de influenciar os outros, é um poder que diferencia umas das outras.

AGENDE-SE
O quê:
Lançamento do livro X em Evidência, Atitudes Positivas na Comunicação em Público de Adolescentes e Jovens, de Ana Claudia Guilherme Corso.
Quando: quinta-feira, dia 12 de setembro, a partir das 18h.
Onde: Livraria Sempre Ler (Rua Marquês do Herval, 677 - Centro, Caxias do Sul).
Quanto: Entrada franca.

Leia também:
"Não é possível fazer arte, nem fazer ciência sem liberdade", defende artista
Caxias em Cena 2019 terá 16 espetáculos e seis oficinas
Agenda: exposição sobre a cultura gaúcha abre nesta terça-feira no Sesc Caxias 
Conheça o local que abriga mais de 10 mil objetos históricos em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros