Conheça o local que abriga mais de 10 mil objetos históricos em Caxias do Sul - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Acervo de memórias #106/09/2019 | 13h22Atualizada em 06/09/2019 | 13h27

Conheça o local que abriga mais de 10 mil objetos históricos em Caxias do Sul

Reserva técnica abastece museus Municipal, Casa de Pedra, Imigrante e da Uva e do Vinho

Conheça o local que abriga mais de 10 mil objetos históricos em Caxias do Sul Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Foi num verão, por volta de 1910, que um jovem chamado Ernesto Argenta aproveitou o tempo livre das férias para confeccionar um porta-jóias para sua mãe, dona Tereza. Alguns anos mais tarde, ele se tornaria o primeiro caxiense formado em engenharia. O baú de madeira, por sua vez, se tornou um oratório, ostentando imagens de santos e um crucifixo sobre a cômoda de um quarto.

Leia mais:
De lápides a roupinhas de batizado: veja objetos curiosos mantidos pelos museus de Caxias
Pano, cera e pincel: saiba como as peças de museus são higienizadas

E assim ficou por muito tempo, até que dona Tereza faleceu e o objeto foi herdado pela filha Giselda, que trocou as imagens de devoção por cartas e fotografias de família. Anos depois, foi a vez do neto Alexandre tomar posse do baú, ainda decorado por um tecido com flores nas cores vinho e branco, com fundo azulado. Foi então que as fotos deram lugar a imagens budistas.

Pelo menos até 2008, quando a centenária caixa entalhada por Ernesto Argenta ganhou novo endereço: o setor de reserva técnica da Divisão de Museus de Caxias do Sul, lar para outras mais de 10 mil peças que ajudam a contar alguns dos capítulos mais importantes da história da região.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/09/2019Para o caderno ALMANAQUE, museu municipal de Caxias e seu acervo. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Em pouco mais de 180 metros quadrados, é possível encontrar uma invejável gama de objetos históricos: ferros de passar, lampiões, pares de calçados, camisolas, máquinas de escrever, quadros religiosos e até mesmo fronhas, lençóis e cortinas. Há também brinquedos que remontam o início do século passado e utensílios de porcelana decorados manualmente.

Tudo cuidadosamente armazenado em caixas plásticas, arquivos, mapotecas, armários e estantes, forrando de memórias as paredes do prédio anexo do Museu Municipal, na Rua Visconde de Pelotas.

Mas, afinal, qual a importância de uma reserva técnica?

— Podemos dizer que é o coração dos museus. É importante que as pessoas saibam que não é um depósito do que não está exposto, mas sim um ambiente vivo que abastece espaços como o Monumento ao Imigrante, o Museu da Uva e do Vinho e a Casa de Pedra — explica a diretora da Divisão de Museus, Daniela Fraga.

A coordenadora do setor, Marizete Raimann, corrobora:

— Se não houver esse cuidado de conservação do acervo, as coisas vão se perder e sobrará apenas o que está exposto. Por isso chamamos a reserva técnica de coração do museu, é o local onde as memórias ficam bem cuidadas.

Leia também:
"Não é possível fazer arte, nem fazer ciência sem liberdade", defende artista
Caxias em Cena 2019 terá 16 espetáculos e seis oficinas
Biografia da cantora Cyndi Lauper será lançada com festa nesta sexta-feira, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros