Aberta oficialmente 35ª Feira do Livro de Caxias - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Feira do Livro 201927/09/2019 | 21h03Atualizada em 27/09/2019 | 21h03

Aberta oficialmente 35ª Feira do Livro de Caxias

Secretário Municipal da Cultura, Joelmir da Silva Neto diz que são esperadas 250 mil pessoas até o dia 13 de outubro

Aberta oficialmente 35ª Feira do Livro de Caxias Antonio Valiente/Agencia RBS
Delcio Agliardi bate a sineta como símbolo da abertura oficial da 35ª Feira do Livro de Caxias do Sul. Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Às 19h19min, de sexta-feira, em uma primavera com cara de outono, cujo termômetro registrava 13ºC, o poeta Delcio Agliardi tocou a sineta como símbolo da abertura da 35ª Feira do Livro de Caxias do Sul. A programação estende-se até o dia 13 de outubro, com atividades gratuitas na Praça Dante Alighieri e nos espaços da Casa da Cultura, do Teatro Municipal Pedro Parenti, da Biblioteca Pública Municipal Dr. Demetrio Niederauer e da Galeria Municipal de Arte Gerd Bornheim.

Leia ainda:
Centro de Caxias do Sul vira o reduto dos leitores
Joselia Aguiar vem à Caxias lançar biografia de Jorge Amado
Biógrafo de ilustres desconhecidos lança livro neste sábado
Armindo Trevisan lança livro sobre São Tomás de Aquino
Literatura negra será abordada em mesa temática neste domingo
Reunião de cronistas é atração neste domingo em Caxias

No palanque oficial havia um livreiro, dois petas e dois leitores, que nesta mesma ordem discorreram a respeito da importância do evento para Caxias e citaram importantes autores da literatura mundial como Mario Quintana, Jorge Luis Borges e Valter Hugo Mãe.

O primeiro a discursar foi Arcângelo Zorzi Neto, presidente da Associação dos Livreiros Caxienses (Alca). Em uma breve linha história, explicou que a primeira Feira do Livro em Caxias foi realizada em 1975, com duas bancas (Sulina e Martins Livreiro), na Sinimbu, em frente à Catedral Diocesana de Caxias. E que foi apenas em 1984, por conta de uma lei municipal instituindo o evento, que a prefeitura deu início à Feira do Livro como hoje os caxienses conhecem.

— Que seja a melhor feira de todas — desejou  Maneco.

Cada feira é uma feira, mas como superar a de 1984, em que Mario Quintana, o poeta gigante que parte da crítica tratou de encolher, era o astro? É de Quintana a estrondosa frase, citada por Maneco: "O verdadeiro analfabeto é o que sabe ler e não lê".

A seguir, foi a vez da poetisa  e professora Bernardethe Zardo, que ocupa a cadeira número 31 da Academia Caxiense de Letras e é a amiga do livro desta edição. Fazendo jus a seu ofício de poetizar a vida, tratou de declamar: "Quem fala nesta praça são os livros".

Então, eis que o patrono e também poeta, Delcio Agliardi, recebeu as honras de meio dedo de prosa. Como educador, não perdeu tempo e reforçou a importância da literatura, como bem disse ser "um direito fundamental". Entendendo bem a posição que ocupa, que é empunhando um cetro, mas do homem que carregará por todo sempre o título de patrono dos livros, requereu mais investimento público para a cultura.

— As políticas públicas de fomento são indispensáveis — defendeu, com um olhar de esperança, porque Delcio bem conhece todos os percursos da literatura, não apenas como fábula, mas como educador, escritor e leitor.

Falando em leitor, eis que coube às autoridades máximas da política caxiense presentes ao evento o fechamento da solenidade. Primeiro, o leitor e secretário municipal da Cultura, Joelmir da Silva Neto, que se limitou a saudar os já citados pelo protocolo, e complementou:

— Esperam-se mais de 250 mil pessoas até o final da feira e mais de 30 mil entre crianças e adolescentes que já estão agendados, fora os que virão à feira com os pais, como o meu filho, que aqui está com a minha esposa.

E para encerrar a manifestação oficial, a plateia ouviu atentamente a primeira-dama, Andrea Marchetto Guerra, trazer à tona uma necessária observação.

— É importante refletir o papel da cultura em nossas vidas — disse, ao referenciar a presença dos escritores na Feira do Livro.

A primeira-dama representava o marido, o prefeito Daniel Guerra, que não esteve presente ao mais importante evento cultural da cidade. Protocolo encerrado, ocupou o palco a Banda Mais Bonita da Cidade, convidada para abrir oficialmente a 35ª edição da Feira do Livro.

Leia também:
Conheça a coleção primavera verão da grife La Thereza
Nivaldo Pereira: a luz da poesia
Pedro Guerra: desculpa, é que sou libriano
Gilmar Marcílio: meu inimigo




 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros