Tríssia Ordovás Sartori: Regar as violetas (ou quase isso) - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião09/08/2019 | 17h20Atualizada em 09/08/2019 | 17h20

Tríssia Ordovás Sartori: Regar as violetas (ou quase isso)

Não entendo nada de plantas, mas com um mínimo de interesse e observação, consigo saber o que as agrada. Por que não faria isso uma pessoa?

Tríssia Ordovás Sartori: Regar as violetas (ou quase isso) Fábio Panone Lopes, espacial/
Foto: Fábio Panone Lopes, espacial
Trissia Ordovás Sartori

trissia.ordovas@pioneiro.com

Minha mãe reaproveitou uma garrafinha com um bico muito específico para molhar os vasinhos de violeta. A improvisação tem a finalidade de imprimir delicadeza à atividade. Fez isso porque as plantas são muito sensíveis, e a água precisa ser dosada com precisão. Então, nos dias certos, ela para por alguns instantes, com todo o cuidado, para realizar a tarefa. É um jeito lindo de se preocupar com as (mínimas) coisas.

Violetas não podem ser molhadas em abundância, precisam de luminosidade e se adaptam melhor a ambientes que não são abafados. para cultivá-las em apartamento, como é o caso, são necessários alguns poucos cuidados para que a planta siga linda e saudável. Não entendo nada de violetas, mas com um mínimo de interesse e observação, consigo saber o que agrada às plantinhas.

Por isso, não entendo como as pessoas podem ser indiferentes umas às outras. E, infelizmente, o mundo está cheio de gente que tenta se convencer que está acima de tudo, com o umbigo sendo o centro do universo. Olhar para si é fundamental, mas ignorar o outro é triste. Aí pode entrar qualquer tipo de desculpa: a correria, a pressão, a falta de tempo... Sobram gestos forçados e likes nas redes sociais, falta verdade e reciprocidade. 

Leia mais

Tríssia Ordovás Sartori: seja árvore

 Tríssia Ordovás Sartori: Somos o que deixamos

Tríssia Ordovás Sartori: como dispensar um macho sem noção 

Ninguém precisa ser o mais entendido, o mais curioso ou invasivo para tratar os outros de forma real e gentil. Levando em consideração que o outro tem fragilidades e problemas tais quais eu tenho, e está tudo bem. Não são as dificuldades que também nos aproximam?

Quando entrei no jornal, em 2003, tínhamos um diretor – Luís Fernando Zanini – que era uma das raras pessoas, que tratava todo mundo bem e com proximidade – fossem executivos, fossem iniciantes. Sabia os nomes dos familiares, o time do coração, alguma referência de vida de cada um. Sempre achei essa atitude admirável e lembro dele com carinho. Como não guardá-lo na memória com o melhor dos sentimentos?

Por isso que o cuidado banal com as violetas tocou tanto a mim, como se fosse um fio condutor necessário da vida. Às vezes, precisamos parar e nos dedicarmos ao outro e, mais especificamente, às necessidades do outro. Em que momento fazemos adaptações possíveis para garantir o bem-estar alheio — sem perdermos, sem nos anularmos, sem que o olhar atento seja um sacrifício? 

No exemplo da planta, o óbvio se revela: quando o cuidado faz sentido por ele mesmo, as flores aparecem. E é assim que deve ser, naturalmente.


Leia também

Infância fora da caixa: famílias caxienses falam sobre os desafios de educar crianças com altas habilidades e superdotação

Marcos Caruso aproveita folga de maratona teatral provando as delícias da Serra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros