Nivaldo Pereira: desafios do ego  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião02/08/2019 | 17h15Atualizada em 02/08/2019 | 17h15

Nivaldo Pereira: desafios do ego 

Leão é o impulso inato para a expressão individual, na certeza de que dentro de si há algo maravilhoso a ser revelado

Nivaldo Pereira: desafios do ego  Luan Zuchi / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Luan Zuchi / Agência RBS / Agência RBS
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

 Depois de pular e rodar pela sala, a pequena leonina parou em minha frente e disse: “Eu é linda!” Desatei a rir dessa espontânea demonstração de convicta autoestima. E perguntei a ela: “Quem te disse isso?” A resposta: “Eu”. Leão é o impulso inato para a expressão individual, na certeza de que dentro de si há algo maravilhoso a ser revelado, algo que vem a ser a própria essência pessoal. Signo regido pelo Sol – a poderosa estrela que atrai e ilumina os planetas –, associado à noção de centro, ao ouro e ao brilho, à honra e à grandeza, Leão parece ser um signo destacado em relação aos outros. Seria esse o “melhor signo”, como costumam perguntar os leigos em astrologia?

A resposta é não. Não há um signo melhor que outro, já que cada um corresponde a uma etapa única e insubstituível no desenvolvimento da consciência. E todos nós temos os 12 signos em nosso íntimo, ainda que alguns estejam mais enfatizados que outros, em função da posição dos planetas em nosso nascimento. Por caber a Leão o despertar da identidade pessoal e sua afirmação criativa, pode parecer que sua “tarefa” seja mais prazerosa que a de outros signos, mas há aqui um difícil desafio: lidar com o que vulgarmente chamamos de ego. Numa criança soa engraçado o exibicionismo vaidoso. Já num adulto, soa infantil ou patético.

 Leia mais
Nivaldo Pereira: a tarefa de Simba
Nivaldo Pereira: o abraço do caranguejo 

O dicionário diz que o ego, no jargão psicológico, seria nosso núcleo de personalidade e princípio de realidade, criados a partir das experiências pessoais, mas com um funcionamento em grande parte motivado por pulsões inconscientes. Vale lembrar que o ego costuma ser ilustrado como uma ilha cercada de inconsciente por todos os lados. Aí, nesse mar de conteúdos ocultos, é que moram os perigos. O que será que define e sustenta nossa percepção de nós mesmos?

Há mais de um século, a popularização da psicologia recheou a linguagem de palavras como ego, egocêntrico e egoísta. Sabemos o que elas significam, conhecemos gente com ego inflado e muitos egocêntricos donos da verdade. Até somos certeiros em desconfiar que por detrás de egos exagerados pode haver insegurança e medo.

A também popular disseminação das filosofias orientais nos conta que o ego é o pai de males como prepotência, arrogância e individualismo e que a fundamental iluminação espiritual passa pela renúncia do ego. Sentiram o drama? Precisamos de um ego para ser alguém distinto no mundo, mas ficar preso a essa imagem é sempre uma armadilha a nos enredar nos instintos inconscientes.

Autocentrados, raramente percebemos o quanto a força do próprio ego pode ser traiçoeira. O mito grego associado ao signo de Leão dá conta desse conflito. É o primeiro dos 12 trabalhos de Hércules, quando o herói, em processo de purificação, precisa destruir um leão que espalha o terror na região da Nemeia. Flechas e espadas não adiantam: a pele do animal é invulnerável. Hercules, então, encurrala o leão numa gruta e, no escuro, o sufoca. Morta a fera, o herói faz de sua pele uma armadura, que passa a usar como proteção nos trabalhos seguintes.

O significado desse mito é claro. A consciência humana vence a fúria instintiva e caótica do animal, e a incorpora como força, dirigindo-a. O herói solar domestica sua fera sombria. Eis um ego forte e saudável, que sabe lidar com as tentações do poder brutal, extraindo experiências que servirão de escudo contra outros perigos.

É esse ego sempre atento às próprias sombras que pode criar com sabedoria um caminho original de expressão no mundo. Tornar-se o que se é, tarefa do Leão em nós, supõe superar com força pautas herdadas e imposições sociais em nome da própria verdade. Mas supõe também perceber-se continuamente em aperfeiçoamento, para driblar a possível rigidez autoritária do ego.

Uma última curiosidade: tinha que ser leonino o psicólogo que identificou em toda pessoa, a partir de sua própria experiência pessoal, um impulso de realização que chamou de Processo de Individuação: a jornada para tornar-se o que se é. Foi o suíço Carl Gustav Jung, nascido a 26 de julho de 1875. Bem a propósito, é dele também o conceito de sombra.

 Leia também
Falta de iluminação inibe ocupação de espaços públicos e motiva mobilização em Caxias
Médico espanhol especialista em câncer de pulmão participa de workshop em Caxias e alerta: "Pare de fumar"
Professores e funcionários de escolas de Farroupilha terão de ser capacitados em primeiros socorros 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros