Marcos Kirst: gol não nasce de pé solitário - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião19/08/2019 | 07h00Atualizada em 19/08/2019 | 07h00

Marcos Kirst: gol não nasce de pé solitário

Zelando melhor pela autoria dos méritos de cada um, garantiremos sempre o envolvimento de todo o time na busca das conquistas cotidianas

Se é verdade (e eu acho que é verdade) que o futebol é uma forma de expressão metafórica da vida e suas nuances, então hoje vamos falar de futebol, pois, afinal, também sou sofredor. Assisti, do conforto fofo do sofá de minha sala, na gelada noite da quarta-feira da semana passada, à transmissão televisiva da partida entre Grêmio e Atlético Paranaense, válida pelas semifinais da Copa do Brasil, primeiro dos dois confrontos previstos entre as duas equipes que disputam vaga na final da competição. Tricolor de coração desde os tempos em que acompanhava pelas ondas do rádio em Ijuí as atuações do veloz ponta-direita Flecha (que jogou no Grêmio entre 1968 e 1971), vibrei com os dois gols marcados pelo meu time e que encaminham o Grêmio a uma posição confortável no próximo confronto, em Curitiba, daqui a alguns dias. Até aí, tudo zen.

Leia mais
Marcos Kirst: Sem consenso no cardápio
Marcos Kirst: 68 opções para a felicidade

Seguindo as jornadas esportivas daquela noite em canais de tevê e, nos dias seguintes, nas rádios e nos jornais, compartilhei a exaltação dos comentaristas às atuações da dupla de jogadores André e Jean Pyerre, autores dos dois tentos decisivos da partida, mas senti falta de algo. André, claro, marcou um belo gol de cabeça ainda no primeiro tempo, e Jean Pyerre, no segundo, definiu o placar efetivando um magistral gol de cobrança de falta, uma raridade no futebol apresentado hoje em dia nos gramados brasileiros. Tudo muito justo, tudo muito correto, porém, faltou enaltecer um fator crucial para o desfecho favorável desses dois lances: a participação fundamental do jogador Éverton em ambos os momentos. Foi Éverton quem penetrou na defesa paranaense com a bola e fez o cruzamento a André, permitindo a cabeçada golística no primeiro tempo. E foi também Éverton quem, na segunda etapa, sofreu a falta à frente da grande área adversária, que possibilitou a cobrança matadora de Jean Pyerre para dentro das redes.

Sem a atuação vital de Éverton, nenhuma dessas jogadas teria se transformado em gol, mas pouco (ou nada) se falou sobre os méritos de sua performance decisiva na articulação desses dois gols, reservando-se os refletores e as glórias para a dupla que finalizou. Assim também muito se dá nos gramados da vida cotidiana, quando não raro os coadjuvantes (fundamentais) das grandes conquistas veem seus esforços (vitais) serem apagados e sufocados pelas loas reservadas somente aos finalizadores de jogadas construídas em equipe. Zelando melhor pela autoria dos méritos de cada um, garantiremos sempre o envolvimento de todo o time na busca das conquistas cotidianas. Aí sim, é gol de placa.

Leia também
Jornal do Almoço estreia novo formato nesta segunda, com novo cenário e mais opinião. Novidades também na Serra
"Bacurau", exibido no Festival de Cinema de Gramado, é violento, visceral e político 
Homenagem a Carla Camurati marca segunda noite do Festival de Gramado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros