Ciro Fabres: tudo isso é Jair Bolsonaro - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião14/08/2019 | 07h00Atualizada em 14/08/2019 | 07h00

Ciro Fabres: tudo isso é Jair Bolsonaro

Johnny Bravo, ao menos, permite falar sobre Bolsonaro sem atiçar o tom belicoso de costume

Muitos entendem que a performance midiática do presidente Jair Bolsonaro é planejada. Em parte é, sem dúvida. Bolsonaro tem noção do que faz. Ao mesmo tempo, em contrassenso alucinante, declarações suas revelam não ter noção do que diz. Mas a performance adotada por ele retira do foco questões escabrosas como as que envolvem Fabrício Queiroz, ex-assessor do pimpolho Flavio, e suas relações perigosas. Fabrício permanece em lugar incerto e não sabido e, inacreditavelmente, não é localizado. A performance também retira o foco de questões como funcionários fantasmas de outros tempos, como a Wal do Açaí, tema por assim dizer desconfortável para alguém que diz prezar “um novo jeito de fazer política”. Mas essa performance midiática também é, de outra parte, o estilo incontido e profundamente incorreto politicamente que Bolsonaro faz questão de liberar e de extravasar.

Leia mais
Ciro Fabres: o bicho vai pegar
Ciro Fabres: Ellen, com 2 Ls

Assim, vão saindo declarações como de uma metralhadora giratória, para empregar uma imagem bem ao gosto do presidente. Ele atira para todos os lados – de novo a metáfora. Sem nenhum cuidado, filtros ou assepsia. Bolsonaro não tem filtros. Então surgem declarações escatológicas, como a que recomenda “fazer cocô” uma vez a cada dois dias para cuidar do meio ambiente, ou totalmente sem noção, como a que diz que “a questão ambiental só interessa aos veganos, que só comem vegetais”, desconsiderando todas as implicações: as ambientais propriamente ditas, as comerciais e de respeito aos veganos. Mais ainda, o presidente parece não ligar para o desconforto de um tema aparentemente relevante para ele, o já citado “novo jeito de fazer política”, seja lá o que isso queira dizer – acabar com a mamata, a negociata e o privilégio, quem sabe. Pois ele reiterou, no tom provocativo de sua predileção, um tópico do currículo apresentado por outro pimpolho, Eduardo, para se credenciar à embaixada de Washington. “Ele sabe fritar hambúrguer”, reforçou Bolsonaro, acrescentando que ele também sabe “entregar pizza muito bem”. Dizer o quê?

Agora em Pelotas, Bolsonaro voltou à carga contra os radares móveis e também os fixos, os chamados pardais, e foi fulminante: “Chega de estudiosos e especialistas.” Que recado para nossa juventude! Semana passada, o presidente atacou de Johnny Bravo, o personagem de desenho animado que se pretende gostosão. “Eu, Johnny Bravo, Jair Bolsonaro, ganhou, p***”. É a faceta mais pop, digamos assim, lúdica e palatável da performance de Bolsonaro, não menos reveladora da personalidade do presidente. Johnny Bravo, ao menos, permite falar sobre Bolsonaro sem atiçar o tom belicoso de costume.

Bolsonaro é Johnny Bravo, mas, ao mesmo tempo, evidenciou recentemente seu lado mais cruel ao presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Tudo isso é Jair Bolsonaro, que chegou pelo voto à Presidência da República.

Leia também
Ocupação da Maesa volta a centralizar o debate na Câmara de Caxias
"Hora de voltar a ter cabeça de chapa", defende presidente do MDB sobre candidatura a prefeito
Publicados horários e locais da prova objetiva do concurso público da Codeca, de Caxias
Suspensão do mandato do irmão do prefeito por 60 dias ainda está em análise na Câmara de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros