Frei Jaime: quem perde a paciência facilmente corre o risco de se encontrar com a solidão - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião22/07/2019 | 08h16Atualizada em 22/07/2019 | 08h16

Frei Jaime: quem perde a paciência facilmente corre o risco de se encontrar com a solidão

Não existe, nos diferentes ambientes, muita preocupação em exercitar a paciência

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! A nova semana chega nos convidando para encaminhar a vida... Que bom ter ânimo e disposição para enfrentar e abraçar cada dia e cada momento... Viver é um desafio que rende muitos frutos! Vamos que vamos! 

"Aprenda a ter paciência. Não se renda à ansiedade." 

Os dias seguem a normalidade do tempo. Há um momento para cada coisa, mesmo que o humano esteja demonstrando incapacidade de controlar a pressa. Não existe, nos diferentes ambientes, muita preocupação em exercitar a paciência. O mais comum é ouvir a expressão: "eu não tenho muita paciência." Não querer aprender a equilibrar as situações e as emoções pode implicar no desgaste desnecessário de energias. A ansiedade está cada vez mais evidente nas relações humanas. O mundo está organizado muito mais na oferta de bens de consumo do que na realização humana. 

Um dia, talvez, a felicidade seja anunciada distante coisas materiais. Pois, para ser feliz nem sempre é preciso ter isso ou aquilo, mas sempre será necessário ter calma e saber esperar. A paciência não é um qualificativo difícil de ser apreendido. Com um pouco de esforço e de autocontrole, a paciência torna-se companheira de caminhada. 

Leia mais
Quer ler mais textos do Frei Jaime?
Clique para conferir textos dos colunistas do Pioneiro  

Uma pessoa pacienciosa acaba tendo muitos ganhos e é surpreendida por retornos incríveis. Quem perde a paciência facilmente corre o risco de se encontrar, lá adiante, com a solidão. A falta de paciência tem ofertado muitas perdas. Quantos amigos já se foram por causa dos enredos tramados pela ausência de paciência. O lugar ideal para os primeiros ensaios da paciência é a família. No interior de um lar, os valores humanos são talhados e desenvolvidos com a ternura daqueles que geram a vida e encaminham para a realização. Não está determinado, em nenhum lugar, que o ser humano deva ser ansioso. Pelo contrário, o ideal é viver com serenidade, mantendo a calma, cultivando a paz, mesmo que o mundo esteja em alta velocidade. Um coração ansioso deixa pouco espaço para o amor se movimentar. Que a paciência seja o melhor aprendizado de cada amanhecer. Viver é um ato inexplicável. 

Bênção! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraço!
 

Leia também
Sétima temporada da mostra Tum Tum Instrumental estreia neste domingo, em Caxias do Sul
Escritora Maristela Scheuer Deves prepara lançamento do livro "O Baú dos Contos de Fadas"
Cia. Municipal de Dança estreia novo espetáculo nesta sexta, em Caxias  
 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros