Marcos Kirst: abelhudo, nunca mais! - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião24/06/2019 | 07h00Atualizada em 24/06/2019 | 07h00

Marcos Kirst: abelhudo, nunca mais!

Afinal de contas, de onde tirei que a escala de valores haveria de ser diferente?

Cientistas afirmaram recentemente que os seres vivos mais importantes do planeta são as abelhas. Estou chocado! Achava que era eu! E mais: os pesquisadores envolvidos na questão são internacionais (o que lhes confere credibilidade a nossos olhos nacionais) e chegaram à desconcertante conclusão após exaustivos estudos (o fato de terem sido exaustivos amplifica ainda mais o espectro da credibilidade envolvida). Ou seja, fica claro a todos aqueles que não são abelhas que não se trata aqui de “achismo” ou de alguma leviana e precipitada suposição. Nada disso. A coisa é séria. É científica. É real. E terei de me conformar: aos olhos da Natureza e do planeta todo, eu, este abnegado cronista de segunda, valho menos do que uma abelha!

Leia mais
Marcos Kirst: entre bancas e barbearias
Marcos Kirst: leve seu cavalo até a água

É isso: sou mais irrelevante do que o insetinho amarelo para o equilíbrio do ambiente natural, para a manutenção da afinação da orquestra da vida. Que coisa! Em uma situação hipotética, a verdade é que, se a Natureza for obrigada a decidir entre eu e as abelhas, ela não hesitará em bater o martelo em favor dos bichinhos. Bom, mas se for pensar a fundo, meu espanto e minha decepção para comigo mesmo (em perspectiva das abelhas) não se justificam, exceto quando sob a luz do exercício contumaz da soberba, da vaidade e do narcisismo. Afinal, de onde tirei que a escala de valores haveria de ser diferente? Onde fui buscar tamanha convicção? Em que indícios embasei a certeza de minha autoproclamada relevância superior? Ah, madama, no pó... Na poeira das vaidades, só pode ser.

Mas, analisando bem, fica claro que eu não teria mesmo capacidade alguma de seduzir e encantar nenhum exaustivo cientista internacional envolvido na pesquisa, uma vez que, diferentemente das abelhas, eu não voo, não tenho a habilidade de produzir mel, não dou ferroadas (fora as simbólicas), não habito colmeias, não polinizo ninguém e não obedeço a uma rainha (aqui, poderia arriscar ceder à tentação de tecer uma metáfora evocando a dedicação direcionada à senhora minha esposa, mas incorreria na possibilidade de soar forçado, o que comprometeria ainda mais minha já abalada moral e o ferrão sairia pela culatra). Vejo-me, pois, desprovido dos atributos que conduziram as abelhas naturalmente ao patamar de seres mais relevantes na escala da vida, melando por completo as pretensões de importância que até então eu acalentava sobre mim mesmo, restando ao meu ego recolher-se à sua operária insignificância. E não ficar zangão com isso. Cada macaco no seu galho, e aceitar o seu lugar no mundo é um aprendizado vital. Por sinal, acabou o mel...

Leia também
Café, sanduíche e dois dedos de prosa: grupo que atende moradores de rua em Caxias prioriza afeto e empatia
Livro resgata formação dos bairros Jardelino Ramos e São Vicente, em Caxias do Sul
Playlist: 20 músicas para animar a sua festa junina


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros