Gilmar Marcílio: buscando ou reclamando - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião21/06/2019 | 09h41Atualizada em 21/06/2019 | 09h41

Gilmar Marcílio: buscando ou reclamando

Temos dificuldade em dividir espaço e, também, em permanecer sozinhos

Às vezes, sinto a tentação de classificar a humanidade unicamente em duas espécies: a dos que estão buscando um relacionamento amoroso e a dos que passam a vida reclamando do que tem em casa. Ou seja, ninguém parece estar satisfeito. Exagero? Tenho minhas dúvidas, e as baseio nos relatos de amigos e de psicólogos que se dedicam ao assunto.

Leia mais
Gilmar Marcílio: real vida virtual
Gilmar Marcílio: aprenda a esquecer

Entre os que se queixam, podemos situar todos os que já não conseguem mais perceber as qualidades de quem está ao seu lado. Irritam-se facilmente com atitudes banais, dando-lhes dimensão épica. Deixam de expressar sua afetividade, acreditando que o hábito tudo destrói. Mas continuam atrelados ao que lhes provoca mais irritação do que alegria. E muitos cometem um pecado que considero capital: falar mal de seus companheiros em público. E nem precisa que encontrem alguém com grande intimidade para fazer o relato completo de sua insatisfação. Necessitam apenas da catarse, do alívio que provoca a partilha. Considero uma das situações mais constrangedoras pelas quais se pode passar, pois a outra pessoa não está presente para se defender. Se você não aguenta mais a criatura com quem divide a cama e a educação dos filhos, por mais doloroso que seja o processo de separação, ainda assim será menos tóxico do que acordar ao lado de quem não se tolera. Incomodam-se por banalidades, passam cada minuto apontando erros que seriam suportados facilmente em outras circunstâncias. Acabam escravos, mesmo podendo reivindicar sua alforria a qualquer momento. Se por um lado conquistamos essa liberdade pela prática de costumes mais flexíveis em nossa época, ainda permanecemos presos a algo que gera infelicidade. Por anos, décadas.

No lado oposto, estão os que acreditam que tudo se resolveria com um relacionamento afetivo estável. Empenham grandes esforços na arte da sedução e invejam secretamente aqueles que já conseguiram esse propósito. Sem saber que também despertam cobiça por terem diante de si a possibilidade de ainda escolher e de desconhecerem o desgaste inevitável que o casamento provoca. Se chegam aos emblemáticos quarenta anos ainda solteiros, veem suas chances escassear consideravelmente dentro de uma sociedade que glorifica a juventude. E acabam diminuindo as expectativas para poder fazer parte do segundo grupo, o dos casados decepcionados. Em meio a essa divisão, é claro que encontramos quem soube construir uma vida a dois baseada na admiração e no respeito recíproco. Mas tenho a impressão de que, numa estatística, não ocupariam um lugar privilegiado. O que vemos por aí, em gritante maioria, são seres insatisfeitos com a sua condição.

Como poderíamos resolver esse impasse? Talvez dando menos importância aos defeitos alheios e analisando com mais rigor os nossos. E praticando a tolerância. E entendendo que a felicidade não está atrelada, necessariamente, ao nosso estado civil. Que tal minimizar o descontentamento? Temos dificuldade em dividir espaços e, também, em permanecer sozinhos. Conviva melhor consigo mesmo para depois cobrar algo dos outros. Só depois.

Leia também
Artista urbano Lucas Leite ministra oficina em Caxias
VÍDEO: Confira performance da banda Araucana em registro 360º

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros