Adriana Antunes: o possível - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião18/06/2019 | 07h00Atualizada em 18/06/2019 | 07h00

Adriana Antunes: o possível

Nunca foi crime sonhar com a possibilidade da vida e de repente ela se torna insuportável

Guardo uma certa compaixão silenciosa para com as pessoas que sonham com o possível, aqueles que buscam a ética, o legítimo, o próximo. Os que sonham o grandioso, o impossível, o grande feito, a grande revolução ou são malucos, completamente fora do contexto social ou são felizes, uma vez que a realidade não os toca. Quem sonha com o possível, com aquilo que está perto e que demanda de um pouco mais de trabalho, de leitura, de consciência, de tempo, de compreensão, esses têm a real possibilidade da desilusão. Eu não me importo com as viagens para o estrangeiro que fulano ou sicrana fez, se saiu na coluna social, se o espumante na festa tinha uma ou duas fermentações, mas me dói saber que o tio Berto, na altura de seus 70 anos ainda acorda todo dia às 7 horas da manhã para consertar geladeiras e máquina de lavar roupas; que a dona Nena trabalhou uma vida toda como empregada doméstica e que além de não ter carteira assinada , envelheceu e tem o corpo todo cheio de problemas por conta do serviço pesado; que o Gringo, um baita pedreiro, teve de parar de trabalhar por que uma doença lhe levou embora a chance de terminar de construir a própria casa. 

Leia mais
Adriana Antunes: amar
Adriana Antunes: as abelhas

Me dói saber que a mãe da Carol enfrenta outra vez um câncer, que o pai do Jefe também, que o pai da Van morreu de um, que o querido do Nery teve de organizar seus filmes para locação disputando espaço com produtos de limpeza, uma máquina de fazer sorvete italiano, chapéus e bolsas, além de ser motorista de uber. Sonhar com o possível é ver na vida uma chance de solução. Uma chance de o tio Berto quem sabe um dia não precisar mais trabalhar como trabalha, que a Nena veja cessar suas dores, que o Gringo melhore e volte a terminar sua casa, que a mãe da Carol e o pai do Jefe se curem, que a dor da perda da Van um dia diminua, que o Nery possa voltar a ter uma locadora de filmes cults. Poxa, tantos com tantas lutas e era preciso só mais um pouco para se poder sorrir de um jeito mais tranquilo. 

Quem sonha com o possível está submisso às contingências da vida. Nunca foi crime sonhar com a possibilidade da vida e de repente ela se torna insuportável. Há uma multidão alheia de pessoas sonhando com o possível. Sonhando com a medicação na farmácia, com um médico que seja mais humano e acolha a dor de quem sonha com a cura de alguém querido, com a chance de fazer uma casa do seu jeito depois de ter feito tantas para os outros, com a possibilidade de envelhecer com dignidade, com a cultura tendo seu espaço preservado e legitimado. Ainda não sei se sonho com o possível ou o impossível, mas me dói saber que têm pessoas que nunca vão conseguir.

Leia também
Central das Artes ofertará curso profissionalizante de dança
Concerto Especial da Osucs terá participação de finalista do "The Voice Kids"
Mostra Tem Gente Teatrando apresenta cinco espetáculos originais a partir de sexta em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros