Marcos Kirst: muito além do encenado - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião03/05/2019 | 11h37Atualizada em 03/05/2019 | 11h37

Marcos Kirst: muito além do encenado

Você precisa  estar à altura da missão; sabe que tem de estar sempre alerta, e está

Você é um cronista mundano. Ocupa um espaço fixo no periódico impresso de maior circulação e representatividade da região em que habita e, portanto, tem responsabilidades crônicas periódicas. Escreve nas segundas-feiras, pegando os leitores (em especial as madamas e os cavalheiros, generosos seguidores de seus escritos) com os pés e os espíritos prontos para enfrentar uma nova semana. Mesmo que ciente de suas incumbências, não tem como negar a realidade que sobre si se impõe, clara e saliente: você é um cronista de  segunda. Precisa estar à altura da missão, e se esforça semanalmente para dar conta do recado. Para tanto, sabe que tem de estar sempre alerta, e está.

 Leia mais
Marcos Kirst: a civilidade do Gama
Marcos Kirst: patos e ratos pela Dante 

À noite, no meio da semana (uma noite qualquer de uma semana qualquer), você leva a esposa para jantar em um restaurante que não seja qualquer (pois, apesar de ser de segunda o cronista, seu estômago faz exigências de primeira). Lá pelas tantas, saciada a fome e entrando o ritual naquela fase modorrenta em que se cruzam os talheres e passa-se a pensar na sobremesa (uma tigela de sagu gelado, como reza a tradição dos gostos controversos dos que adotaram esta terra para viver e foram por ela adotados), você ergue a cabeça e conduz os olhos em um giro panorâmico pelo ambiente. É quando você depara com as presenças de dois outros casais sentados às mesas próximas. Cronista que é, você se põe a observar, pois que a observação é o substrato vital para o ofício de qualquer escriba, dos de primeira aos de quinta, incluindo os de segunda, terça, sábado e afins.

Um dos casais (dois jovens) fala alto, animadamente, atropelando narrativas e ecoando gargalhadas. O outro, já na meia idade, janta envolto em um manto de silêncio a pautar gestos morosos e olhares baços. Ah, que prato feito para as elucubrações de um perfeito mundano cronista! Lá vai ele, ao chegar em casa, sentar-se às teclas e discorrer sobre as obviedades da comunicação corporal, classificando o jovem casal conversador como exemplo de convívio sadio e amoroso, enquanto que à dupla madura imputará a pressão do desgaste da relação, que obviamente beira ao fracasso. Nada mais equivocado! Mal saberá o cronista de segunda que, dois meses depois, os jovens faladores já estarão brigados, enquanto que os maduros silentes seguirão unidos placidamente por anos a fio, até a separação imposta pela morte. As aparências são as armadilhas enganosas que engolfam impiedosamente o mundanismo apressado de qualquer um, cronista ou não-cronista, de primeira ou de segunda.A chave, madama minha, está em não julgar. 

Leia também
Participe do concurso cultural do Pioneiro que vai premiar duas mães com um dia de rainha
Discursos políticos marcam a premiação do Cineserra 2019
Duas bandas da Serra estão no páreo para abrir show da Blackberry Smoke

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros