Henrique Schneider lança o romance "Setenta" nesta quinta-feira, em Caxias do Sul - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Literatura16/05/2019 | 10h48

Henrique Schneider lança o romance "Setenta" nesta quinta-feira, em Caxias do Sul

Livro é ambientado em 1970 e será lançado na Do Arco da Velha

Henrique Schneider lança o romance "Setenta" nesta quinta-feira, em Caxias do Sul Thais Lehmann/Divulgação
Foto: Thais Lehmann / Divulgação

"O sol, a claridade. Esta cegueira". Assim, o hamburguense Henrique Schneider abre seu livro mais recente, "Setenta" (não-editora, 156 páginas). O autor recebe o público para um bate-papo e sessão de lançamento nesta quinta-feira, às 19h, na Livraria do Arco da Velha, em Caxias do Sul. "O sol como símbolo, algo bom a esperá-lo quando o pesadelo do erro terminasse e ele conseguisse sair." Esse sol que agora banhava o corpo de Raul, bancário dedicado e um cidadão de bem, personagem central da obra de Schneider, cegava-o, mas metaforicamente abriria a entendimento do jovem.

O romance é ambientando em 1970, em uma época em que militares ou juristas, como Alfredo Buzaid, ministro da Justiça entre 1969 a 1974 diziam: "Não há tortura no Brasil". Hoje sabe-se que havia — e em larga escala. 

Na trama de "Setenta" é narrada a história de Raul, um rapaz tímido e acomodado, de 25 anos, que mora com a mãe no centro de Porto Alegre e nem dá bola para o tenso ambiente político pelo qual passa o Brasil. Nos dez dias desse recorte da vida de Raul, que é sequestrado e torturado por engano, muitas lições pode ser extraídas. Será que a relação com o nosso atual momento político é mera coincidência?

—  Acho que se fala menos do que se deveria sobre a ditadura brasileira — defende Henrique Schneider, nascido em 1963, às portas do Golpe Militar, que conduziu o Brasil, de 1964 a 1985 para os tais anos de chumbo, apesar de vez ou outra o país ser taxado de Pátria de Chuteiras, termo cunhado por Nelson Rodrigues, em livro homônimo, com crônicas entre 1950 e 1970.

Olha aí, mais um elemento simbólico para o livro "Setenta". 

— O livro foi escrito entre 2014 e 2015, ao longo das convulsões de rua que culminaram com o golpe, alguns chamam de impeachment, mas está cada vez mais claro que foi golpe, no governo de Dilma Rousseff — explica.

Esse clima de medo, misturado com a tristeza de ver gente defendendo a volta da ditadura, revela Schneider, sintetizam o porquê do livro.

— Por paradoxal que possa parecer, um dos temas principais do livro é a liberdade. É um livro em que a prisão e os porões clandestinos de tortura, que existiram em Porto Alegre, são panos de fundo muito presentes. Tudo é muito angustiante, no livro, e é ali, na escuridão úmida e no sofrimento da prisão, que aparece com mais força a importância vital da liberdade — defende Schneider.

Para o escritor liberdade é a palavra mais importante da língua portuguesa. 

— Não por sua beleza em si, pelo som, mas pela enormidade de seu significado, tanto que eu tenho a palavra "liberdade" tatuada no braço.

Leia também
Prefeitura de Bento Gonçalves assina repasse de R$ 765 mil para financiar projetos culturais
Agenda: Café Anexo sedia primeira exposição a partir desta quinta
Núcleo Audiovisual de Caxias inicia grupo de estudos em documentário nesta sexta
Edição carioca do Mississippi Delta Blues Festival inicia na próxima quinta-feira


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros