Empresa de Caxias diz que pode investir R$ 1 milhão na cultura desde que lei estadual seja alterada - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Congresso de Cultura17/05/2019 | 09h27Atualizada em 17/05/2019 | 09h27

Empresa de Caxias diz que pode investir R$ 1 milhão na cultura desde que lei estadual seja alterada

Anúncio foi feito durante o Congresso Estadual de Cultura, em Bento Gonçalves

Empresa de Caxias diz que pode investir R$ 1 milhão na cultura desde que lei estadual seja alterada Marcelo Mugnol / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Marcelo Mugnol / Agência RBS / Agência RBS

Cultura só se faz através do diálogo. Quem nada nessa corrente sequer cogita pensar diferente. Mas, e quem disse que durante uma conversa não pode haver discordância ou pontos de vista dissonantes? Afinal de contas, cada parte da cadeia produtiva da cultura revela e aponta como válido o seu olhar, a sua perspectiva da cena.

Durante o painel A Visão dos Financiadores, no 3º Congresso Estadual de Cultura, que ocorre em Bento Gonçalves até esta sexta-feira (17), um dos cases apresentados e, que pôde revelar qual é a sua perspectiva do negócio da cultura, foi a Randon, através da sua coordenadora de Responsabilidade Social, Jeanine Pacholski.

— Eu sempre digo nas reuniões do nosso conselho que nós temos o privilégio de escolher projetos, mas o dinheiro é público — defende Jeanine, ao comentar sobre a atuação da empresa ao selecionar projetos culturais.

Leia mais
"Cultura é um grande negócio para o investidor", diz Werner Schünemann em Bento Gonçalves
Prefeitura de Bento Gonçalves assina repasse de R$ 765 mil para financiar projetos culturais

A Randon tem um império na indústria, com 11 empresas, sendo que é a líder no segmento de carroceiras da América Latina. Foi corajosa e importante a presença da Randon, em um Congresso de Cultura, pois geralmente o enfoque dos debates é pontuado pela visão dos artistas, produtores culturais e governo.

Maior ousadia ainda, foi Jeanine prometer que a Randon vai investir R$ 1 milhão na cultura, desde que o governo do Estado reveja a Lei de Incentivo Estadual. Hoje, quando uma empresa investe em um projeto da LIC, deve repassar, além do valor acordado com o produtor cultural, mais 25% do que patrocinou no projeto, para o Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

— Já conversei com o nosso CEO, e ele me confirmou que, se tirar a obrigatoriedade dos 25%, e baixar para quem sabe 10%, ele autorizou investirmos R$ 1 milhão para um novo edital da Secretaria de Cultura Estadual — provocou Jeanine.

Após o anúncio, a plateia aplaudiu. No entanto, na sequência dos debates da tarde e noite, o clima foi mudando um pouco. Porque parte dos produtores acredita que aceitar a redução de repasse das empresas de 25% para 10% vai enfraquecer o edital do FAC, que, na visão destes, é o melhor instrumento de fomento do governo estadual.

— Em momentos de crise, as empresas, como a Randon, vão investir o dinheiro em leis que não seja preciso o aporte de contrapartida — argumenta Jeanine.

Aguardemos as próximas cenas dos capítulos para saber como o governo do Estado vai lidar com essa questão, que toca em um ponto central do fomento às atividades culturais no Rio Grande do Sul, o FAC.

Leia também
Henrique Schneider lança o romance "Setenta" nesta quinta-feira, em Caxias do Sul
Peça cearense abre temporada do Palco Giratório em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros