Ciro Fabres: a vertigem e as dores - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião22/05/2019 | 07h00Atualizada em 22/05/2019 | 07h00

Ciro Fabres: a vertigem e as dores

Muitos se  deixam levar na onda, e aí não tem jeito: é vertigem o tempo inteiro

A vertigem dos dias só faz crescer. Tudo é cada vez mais rápido, a exigência é essa, como se nosso percurso cotidiano se desenvolvesse dentro de um daqueles equipamentos de parques de diversões, cheio de luzes, sonoridades e giros mirabolantes. Há fatores bem evidentes para termos chegado onde chegamos, e provavelmente o principal deles é a parafernália mobile, celulares, smartphones e similares. Se deixarmos – e esse detalhe é importante, se deixarmos –, eles nos alcançam e vão nos buscar onde estivermos, e nos sugam. Em muitos casos, o uso da tecnologia mobile é trabalho, e não há o que fazer, mas pode merecer uma boa administração, em equilíbrio básico com as demais demandas da existência, compatível com a civilidade e a qualidade de vida. O fato é que muitos se deixam levar na onda, e aí não tem jeito: é vertigem o tempo inteiro.

Leia mais
Ciro Fabres: o massacre ao erro
Ciro Fabres: minha mãe e a cultura de paz

Não é só o universo mobile. A produção de fatos, notícias e barbaridades aumentou, decorrência da multiplicação de canais e plataformas, mas também pelas artes e habilidades dos protagonistas, como se vê na vocação ensandecida do governo federal para causar perplexidades. E nossa atenção é seduzida a todo momento por grande parte das informações que jorram em avalanche, e uma vai substituindo a anterior, em ciclo perpétuo. É outra onda da vertigem atual. A multiplicidade de fontes e canais é a ferramenta material para tal cenário, a nos perseguir, alcançar e seduzir até captar nossa atenção.

Ainda tem as redes sociais, que se diversificam, pois seria preciso compartilhar tudo, curtir, responder mensagens. É uma terceira onda da vertigem, que exige de muitos, por exemplo, digitar no smartphone enquanto se está na direção. Não é um transe? Pois bem, há outros mecanismos: a cultura do resultado, que exige entrega, cumprimento de metas e de prazos. Eis nossa vertigem! E vai piorar.

Desse jeito, temos menos tempo para a vida real, e refletir sobre ela. Velocidade e reflexão não se combinam facilmente. Tempos atrás, vidas perdidas no trânsito comoviam mais, tínhamos mais capacidade de mensurar seus efeitos e suas dores. Por estes dias, nessa vertiginosa Caxias, perderam a vida nas ruas da cidade e em uma estrada municipal uma jovem de 18 anos, atropelada, uma adolescente de 12 anos, também atropelada, uma jovem de 22 anos em uma colisão de moto e um coletor da Codeca e tatuador de 32 anos em outro acidente de moto. Sabe lá o que é isso? É, está acontecendo em Caxias, em meio à vertigem nossa de cada dia. Algo tem de ser feito.

Menos vertigem urbana e tecnológica, mais atenção à vida real.

Leia também
Agenda: Rafa Gubert e Tita Sachet celebram 15 anos de carreira com show especial
Coordenação dos cursos de Artes Visuais da UCS repudia ação da Guarda Municipal contra Elichat
"Precisamos trabalhar em parcerias", defende Beatriz Araujo, no Congresso de Cultura, em Bento Gonçalves

>
 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros