Em álbum de estreia, Uiliam Michelon mistura ritmos sulistas com jazz e música clássica - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Música09/04/2019 | 09h59Atualizada em 09/04/2019 | 11h09

Em álbum de estreia, Uiliam Michelon mistura ritmos sulistas com jazz e música clássica

"Uiliam Michelon Quarteto" já está disponível nas praças físicas e virtuais

Em álbum de estreia, Uiliam Michelon mistura ritmos sulistas com jazz e música clássica Ihuri Ramos/Divulgação
Foto: Ihuri Ramos / Divulgação

Quem acompanha a carreira de Uiliam Michelon pode até estranhar que o virtuoso acordeonista nunca tivesse lançado álbum, tamanho o reconhecimento que o vacariense já alcançou na cena regional. Bom, se havia uma sensação de dívida para com o público, ela agora está paga. Já está nas praças físicas e virtuais o álbum Uiliam Michelon Quarteto, que traz nove temas autorais e todo o repertório de influências que vão da milonga e do chamamé ao jazz cigano. 

Acompanhado dos competentes Thiago Carlotto (guitarra e violão), Gleidson Dondoni (bateria) e Everton Hoffmann (baixo), Michelon explora a veia de compositor que o acompanha desde a adolescência, quando passou a rabiscar os primeiros temas. Diz ter sido a época em que desenvolveu o gosto pela música instrumental, inspirado em mestres como os argentinos Astor Piazzolla e Raúl Barboza.

— São músicos capazes de passar uma energia muito grande através dos seus instrumentos. Acho incrível como a melodia de uma gaita ou de um violão é capaz de construir um sentido diferente na cabeça de cada ouvinte, que vai emocioná-lo de na medida em que ele se abra para isso — comenta o músico. 

Ao acrescentar a bateria à sua tradicional formação "chamamecera" de gaita, violão e baixo, Michelon diz que a intenção é aproximar o seu som ainda mais do jazz, sem deixar de fora os elementos da música regional, que são o seu chão.

— Sempre me perguntam se o que eu toco é música gaúcha, e fato é que não sei responder se é ou não é. Minhas raízes musicais com certezas estão na música folclórica gaúcha e nos ritmos latino-americanos, como a milonga, o chamamé e o tango, mas sempre tentei dar um toque mais universal, acrescentando algo do jazz e da música clássica. Acho que esse disco pisca com um pé nessa terra e o outro no resto do mundo — divaga. 

Em uma década de carreira, a experiência fonográfica de Uiliam até aqui se restringia a participações em álbuns de cantores e grupos nativistas. Nos palcos, teve como pontos mais altos o Rodeio Internacional de Vacaria e o festival Tum Tum Instrumental, de Caxias do Sul. Ao oferecer ao mercado e ao público sua primeira obra autoral — lançamento independente, mas com patrocínio e apoios importantes —, o acordeonista de 37 anos mostra-se pronto para levar sua música cada vez mais longe. 

Leia também
Agenda: ações do Téti-Festival seguem ocorrendo em Caxias
Agenda: Orquestra Sinfônica da UCS apresenta Concerto de Páscoa na quinta, em Caxias
Espetáculo encenado em Caxias provoca reflexão 
Alok será atração do Festival de Outono, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros